Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

10
Fev 13

As safiras em moedas de olhares

como os crisântemos em rubi que vivem nas árvores da saudade

inventaste-me como inventaste o vento numa tarde de cacimbo

com nuvens de porcelana

e azeitonas em conserva,

 

Eras conhecida como a raiz de pólen

de abelha em abelha

às flores dispersas pelos pedaços de pólvora seca

que incendiavam as lanternas invisíveis

dos pinheiros abandonados pelas aranhas de vidro,

 

Percebiam-se-lhes as dissolvidas manhãs de inferno

dentro de um cubo de chapa

zinco

como as pedras polidas pelas mãos da neblina

e desciam o rio as escadas de acesso à lua,

 

Comiam-se os homens e as mulheres

porque a fome de amar era tanta tanta que o vento se transformava

em jangada

ou madrugada

húmida como os corpos de papel que voavam em volta do silêncio,

 

E tirando as safiras em moedas de olhares

nada

ninguém

como a vida de um esqueleto apaixonado

pelos ossos da vizinha amiga que vive no sótão das histórias sem palavras...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:18

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO