Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

10
Mar 13

Eras tua ainda, trazias nos cabelos os fios de noite que a lua deixou sobre as nuvens de insónia, eras tu ainda e nada fazia prever o desfecho da tua passagem pela madrugada de Inverno, desenhava-te nas paredes imprevistas e húmidas do palheiro de Carvalhais (S. Pedro do Sul), na eira, eras tu ainda, sentia-te correr até encontrares os pinheiros de algodão que o avô Domingos tinha na fogueira da velhice, e no entanto

Perdi-te, perdi-te como se perde o vento numa superfície lisa e na planície imensa sem obstáculos que impeçam a livre circulação da paixão, escrevia-te silenciosamente as cartas que nunca enviei, por medo, por falta de tempo, ou,

Porque o vento nunca me deixava, ou porque o vento me enrolava no campo indefinido de milho com espantalhos em pano e palha, ora aqui, ora acolá, perdidamente, só, pensando nas infinitas palavras por escrever, as ditas, e não ditas, quando chegava a chuva e tínhamos de nos recolher, debaixo do sono, sem luz eléctrica, e de uma lanterna inventávamos filmes de desenhos animados, e ainda era tu, sabia-o porque apalpava-te a mãos de seda e um brilho de diamante acendia a noite escura entre os espantalhos, também eles, perdidamente,

Sós?

Coisas de mulheres, éramos crianças saltitantes sobre os arames enferrujados que atravessavam as margens inconclusivas das manhãs sem literatura, bebíamos, lutávamos sobre uma cama inventada com sabor a sémen e Luas recheadas com os sobejados flamingos do rio que atravessava a cidade, dentro da cidade tínhamos pessoas, mulheres, homens e, pássaros que nunca tinham experimentado voar,

Por medo, por falta de jeito, ou porque o vento nunca me deixava, ou porque o vento me enrolava no campo indefinido de milho com espantalhos em pano e palha, ora aqui, ora acolá, perdidamente, só, pensando nas infinitas palavras por escrever, as ditas, e não ditas, quando chegava a chuva e tínhamos de nos recolher, debaixo do sono, e

Sós? E eras tua ainda, levantávamos-nos cedo, imaginávamos lençóis de linho estendidos nas cordas bambas que a tempestade tinha trazido do outro lado da ilha, vivíamos separados por um túnel de mel, lá fora as gotas de água, as poucas, quando caiam sobre a tua pele de papel fotográfico, uma luz de iodo se acendia, e um pequeno trapezista com mãos de aranha voava como os pássaros que

Por medo, por vergonha,

Nunca tinham experimentado as loucuras do prazer entre telhados e espantalhos, crescia a manhã, vinhas de longe até longe, como algumas palavras que nunca se cansam de prenunciar, escritas, faladas ou murmuradas contra os vidros da janela com orelhas de madeira, lembras-te? Sós, e ainda eras tu, e ainda tinhas nos lábios um filete de rosa

(Coisas de mulheres, éramos crianças saltitantes sobre os arames enferrujados que atravessavam as margens inconclusivas das manhãs sem literatura, bebíamos, lutávamos sobre uma cama inventada com sabor a sémen e Luas recheadas com os sobejados flamingos do rio que atravessava a cidade, dentro da cidade tínhamos pessoas, mulheres, homens e, pássaros que nunca tinham experimentado voar,)

Um filete de rosa com sílabas vermelhas, da água gelada cresciam as estrelas minguas dos teus olhos com sabor a geada, eras, ainda tu, quando desceram do céu os grandes dentes de marfim que se acorrentaram aos cadáveres dos barcos encalhados na tua saia, ouvia-te chorar quando eu entrava em casa fora de horas, dois ou três dias depois de partir, e apenas te respondia

Andei por aí,

Vagueava como vagueiam as nuvens de prata com sandálias de couro, os calções acordavam numa praia de areia branca, linda, e ao longe imaginava tendas de circo com palhaços, com artistas malabaristas, como hoje, por aqui e colá, entre espantalhos e fios de seda, entre sémen de maré e o pôr-do-sol que ainda nos resta e ainda vive em liberdade,

Sentias-me?

E fugias de mim como ainda hoje fogem as palavras dos caderno preto,

Sós?

Tristes

Ou

Por aí cozinhando caldos em colheres de inox,

Tristes,

(DUAS SIMPLES HORAS, E DAQUI A DUAS HORAS JÁ VOLTO A ESTAR AUTORIZADO A FAZER AMIGOS POR AQUI, COMO SE A AMIZADE DEPENDESSE DE REGRAS, NÃO SERÁ ISTO UMA FORMA DE DITADURA?) - FACEBOOK

Ou,

Sós? Tristes porque hoje já não és tu, porque ontem

Tínhamos as poucas coisas a que chamávamos de vida, e dois espantalhos (de pano e palha) vivíamos no campo de milho do tio Serafim, e ao longe, ouvíamos os sinos de Carvalhais, e numa noite

O vento

Ou

O mar?

Separou-nos como se separam as ervas miseras da cidade, entre ruas e ruelas, entre espantalhos e os pinheiros de algodão que o avô Domingos tinha na fogueira da velhice, e no entanto

Hoje já não tenho medo.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:32

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO