Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

16
Mar 13

Não devias ser de pedra como as árvores do oceano onde habita a Margarida, quando as noites não são noites, porque... fartava-me de olhar a lua, e as estrelas, coisas, pontos de luz, telhados em zinco com janelas de cartão, pregos, pregos entre ripas e caricas, e um dia zarpou, e ao outro dia encontraram-na deitada nos difíceis terrenos da aldeia, debaixo do rio, frio, as rochas magoadas pelos desgostos silêncios de Agosto, sem gosto, gosto de ti

Imaginava-me dentro dela,

Gostavas de mim como um pedaço de aço, antes de ser limado, desbastado com a rebarbadora das tuas mãos, não o conseguiste e chamaste o escultor Migueis de José, com as suas esbeltas ferramentas tentava ele moldar-me ao sabor dos teus lábios, e eu

E ele cada vez mais indomável, selvagem, como as aranhas em suicídios depois do almoço sagrado, sentadas na mesa do senhor António A., ou

E eu,

Ela, debruçada na escada virada a sul, plantas carnívoras alimentavam-se de pequenos papeis e folhas de alumínio, não gostavam de palavras, deixavam-nas na beirinha da malga de loiça, não gostavam de pão, e deixavam-no na superfície oleosa da mesa de madeira que roubaram na barraca do vizinho das traseiras, durante a noite, trouxeram a mesa e duas galinhas e um galo, e quatro ovos

gosto de ti

Imaginava-me dentro dela,

E só desistíamos quando uma enxada de cansaço batia no soalho, abríamos a janela do amor que tínhamos com vista para o mar da paixão, vestias-te de gaivota e eu

E ele

Gosto de ti,

Ele vestia-se dela, enquanto ela se misturava nos fumos vermelhos da encarnada melodia que se ouvia no rádio a pilhas, quase rouco, fraquinho, e de pouca pulsação

Na urgência

Não deve ser grave, São as pilhas, pilhas

Anilhas

Nas pernas das meninas com saias de chita, e do cabelo, cabelos de vento sobre uma palha em chapéu, e perguntaram-lhe suavemente

Olha menino..., Quem manda aqui? E ele

Gosto de ti

Assim,

Que eu saiba... ninguém, que eu saiba mandamos todos, todas, conforme vossemecê quiser e achar por melhor, pertencemos ao povo, somos o povo, e dizem

Quem manda é o povo,

E dizem,

Assim,

Gosto de ti

E ela

Anilhas

Nas pernas das meninas com saias de chita, e do cabelo, cabelos de vento sobre uma palha em chapéu, e perguntaram-lhe suavemente, enquanto os lábios se colavam nas pétalas azuis do buquê da Madame do terceiro direito, solteira e sem filhos, disponível

E ela?

Assim, gosto de ti, Como quem atira uma munição através de uma arma apontada ao nada, Assim..., desesperada, e coitada

Coitada?

Dela, quando ele acorda e desaparece pelo espelho do guarda-fato e só regressa três noites depois, vestido dela, cansada, com as pernas recheadas de velhas varizes e foices martelos estampados nas costas, percebiam-se-lhe os gritos de revolta, e nos mamilos alguém lhe escrevera

LIBERDADE PARA O POVO!

Que sim, que ia visitar-me logo que possível, e todas as noites relia as cartas dele, e todas as noites adormecia na esperança que um dia, ele

Sim, sou eu

Eu?

Ele

E

Ela,

E nunca apareceu para me abraçar, apenas em dispersos pedaços de papel, eu ia percebendo pelas palavras, que ele

E ela,

Nunca regressariam, nem três dias depois de partirem como o outro que tardiamente, regressava, e aparecia-nos no quarto, a cambalear, aos poucos, a atravessar o espelho do guarda-fato, com janelas de cartão, pregos, pregos entre ripas e caricas, e um dia zarpou, e ao outro dia encontraram-na deitada nos difíceis terrenos da aldeia, debaixo do rio, frio, as rochas magoadas pelos desgostos silêncios de Agosto, sem gosto, gosto de ti

Imaginava-me dentro dela.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

 

(escrito enquanto ouvia “The Enlightement” The Ratazanas)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:49

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO