Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Mar 13

A&M ART and Photos

 

Fingias tristezas

no planalto imaginário das palavras incompreendidas

desenhavas as árvores e os arbustos que a despedida levou

quando regressou a tempestade de areia

e o teu corpo permanecia absorto ou morto ou simplesmente infinito,

 

Perdido nas íngremes amargas letras vermelhas

imagens a preto-e-branco projectavam-se-lhes como dentes de marfim

em crocodilos de madeira negra

húmida

também ela ausente da Primavera tarde que o silêncio amanhava,

 

E hoje

ninguém

coragem

ninguém o apanha do cinzeiro vestido de abelhas flutuantes

quando me escrevias insignificantes palavras desconexas,

 

Velhas

cansadas

mentiras de anda

como as madrugadas de cimento

e a marmelada caseira,

 

Minhas manhãs de nada

ou nada sabendo que não estás nas fingidas tristezas

de livros ou papel amarrotado como as lanternas da solidão

e que sim que simplesmente levitou

às mágoas uivas maçãs do prazer...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:50
tags: , ,

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO