Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Mar 13

A&M ART and Photos

 

É da tua voz difusa que os traços de suor

acordam nas pétalas loucas que os poetas inventam

misturam-se nos teus lábios (sem que eu saiba se são doces ou amargos) sílabas

de água perdidas entre rochas e árvores de candeias

à luz semeada pelo diáfano silêncio dos desertos cansados da tua boca,

 

Há dias que não percebo esta solidão de areia

que o vento levita das pequenas junções das lajes de granito da eira de Carvalhais

e no entanto

acompanha-me o melódico sorriso do melro alegremente

penso eu (apaixonado) porque faz balançar os pinheiros dos sonhos,

 

Atravessas a cidade sobre o arame da saudade

e deixas cair sobre mim

as madeixas de papel que se desprendem do teu cabelo revoltado

com palavras misturas-lhe palavras em constante equilíbrio

e sofrimento de dor,

 

Inventas o rio para me alegrares

mas até isso me entristece como me entristecem as amarra de aço

que prendem os barcos apodrecidos

(também eles de aço)

a um cais de desassossego que tu dizes ser meu quando nasci das finas cordas que as gaivotas engolem,

 

Apetece-me subir ao andar superior onde habitam os gemidos da tua voz

que definem os traços de suor

que a pobre ardósia escreve construindo a geometria do amor

Dois quadrados podem ou não podem apaixonarem-se um pelo outro?

E dois triângulos de Luz?

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:34

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO