Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

02
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Havia no teu corpo crisântemos de esperança

como madrugadas incolores suspensas no estendal que esquecemos na varanda

procurávamos nas ruas os candeeiros de chumbo

para fugirmos à fome da cidade

e sabíamos que eles um dia regressavam para ajustarem contas connosco,

 

Depois esquecemos-nos das montanhas de azoto que nos invadiam

como moscas envenenadas ou como cadáveres de gesso

pendurados por um fio finíssimo de sémen na árvore do desespero

conversávamos com Deus e era como se estivéssemos a falar com uma parede de aço

insensível e distante e fria,

 

Chovíamos das nuvens emagrecidas em cidades de areia

e comíamos as imagens que trouxemos de África

e as pequenas recordações que só aparecem noite dentro

quando lá fora cessam as músicas do desassossego

e cá dentro revoltam-se as lágrimas de tristeza,

 

Um muro covarde arde docemente na lareira da idiotice

como aconteceu com as palavras do livro negro

com dentes de marfim

e cansei-me dos bons costumes

da pontuação e de regras de boa educação,

 

Sou um “filho da puta” mal-educado

que vive num País inventado

não sei se sou humano ou em pedra torneada e ornamentada com flores selvagens

sou um “filho da puta” cansado

de mendigar migalhas e sonhar com viagens...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:16

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO