Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

13
Abr 11

O cordel que se escondia na minha mão quase sempre se estampava contra o sol, e o meu papagaio de papel, com muitas cores e onde costumava escrever com um sorriso, acabava sempre por se incendiar, desaparecia na escuridão, não do dia, mas da escuridão do amanhecer que há pouco acabava de acordar, preguiçoso, mal educado, e os meninos das cubatas arregalavam os dentes ao verem o meu papagaio desfeito em cinzas, malandros, e o cordel aos poucos vinha na minha direcção, enrolava-se ao meu pescoço e acabávamos por adormecer debaixo de uma mangueira, às vezes acordados pela passagem de um monstro dos céus que por perto costumava poisar, onde passava a noite, e eu lá ficava eternamente à espera que uma nuvem amiga me viesse buscar e me levasse para longe, junto ao mar; o mussulo.

 

A tarde escondia-se na luz que começava a dispersar e era quando eu e o ausente íamos para o portão da entrada, os dois, olhávamos para o infinito, eu despedia-me da nuvem que brincava comigo, enquanto ele apenas agarrava-se à minha sombra adormecida no chão, e de barriga para cima, olhava-me nos olhos e dizia-me baixinho; boa noite.

 

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:32

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO