Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

20
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Ficcionado eu na tua mão sideral em pedaços imaginários

de cristal e finos objectos de luz,

há uma lareira que se extinguiu dentro do teu peito de caverna inventada

pelas palavras de uma árvore perdida na montanha,

há ruas que nunca tiveram saída,

tu sabias,

e nelas continuaste a caminhar

como... se passeasses sobre o silêncio mar,

 

Ficcionado eu nos teus seios de pano

que serviram para embrulhar luares e noites de prazer,

há nessas mesmas ruas,

aquelas que nunca tiveram saída e tu caminhavas,

relógios de pulso e canções de amargo amor,

e tu sabias

que eu era uma simples sombra

como um copo moribundo na mão de uma mulher pintada de negro,

 

Eras a noite

e aparecias-me quando as luzes da insónia cessavam,

morriam,

eras a noite que sempre tive medo

e cobria-me com o cobertor cinzento...

para que não desses por mim,

ou descobrisses que o meu esqueleto em vez de ossos

tinha ficcionado uma pomba branca cansada de voar.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:40

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO