Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

23
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Não consigo diferenciar-te na paisagem do misterioso senhor amanhecer, és uma sombra, uma pequena janela de iodo misturada dentro de um copo com água-mineral, não cruzo os braços, encerro os olhos com a ajuda do punho de ferro em pulsações ritmadas, pegavas nas vitaminas, tomavas-as diluídas em água da chuva, quando acordava a seca, não vitaminas, não árvores com pequenas migalhas de flores miseráveis onde brotavam sílabas com lágrimas de incenso, olhava-te e sentia-te perdida na margem direita do rio sem destino, perguntavas-me como se escrevia um poema, e eu, respondia-te inventando histórias com palavra zincadas em molho alicerçado nos paralelos antes do patamar com acesso a uma porta de entrada, um vazio com paredes de vidro, húmidas nos cantos devido às uniões em borracha,

(hoje precisava-te)

Inventas palavras, mentiras secretas, coisas estranhas sempre a acontecerem em teu redor, uma árvore que cai, uma casa que fica doente, vómitos e diarreia, ou

(a calçada com o braço esquerdo suspenso no peito, provavelmente, uma entorse, ou)

A próstata, ou a diabetes, os olhos a diminuírem de tamanho, cor, como diminuíam os dias até vinte e um de Dezembro, depois, as dobradiças a necessitarem de um simples banho com óleo, o reumatismo, as artroses, lá fora, amanhã, uma voz ensurdecedora – Cinco Euros, meus amigos e amigas, apenas Cinco Euros pelo chá e ofereço este magnifico relógio de pulso, para a diabetes, para o reumatismo, para a próstata... Cinco Euros – e eu, tentado, e ela

(parvalhão, ainda acreditas nisso?)

E ela quase engolida pela paisagem do misterioso senhor amanhecer, és uma sombra, uma pequena janela de iodo misturada dentro de um copo com água-mineral, não cruzo os braços, encerro os olhos com a ajuda do punho de ferro em pulsações ritmadas, pegavas nas vitaminas, tomavas-as diluídas em água da chuva, quando acordava a seca, não vitaminas, não árvores com pequenas migalhas de flores miseráveis onde brotavam sílabas com lágrimas de incenso, e um silêncio de espuma saía-lhe de dentro, como se habitasse no ventre embalsamado pelo gesso das paredes obliquas até chegarmos ao tecto das ressacas ambíguas, dormentes, ferozes, como o exercito de abelhas do senhor amanhecer,

(diziam-me que foste a mais bela que alguma vez apareceu junto à margem direita do rio sem destino, hoje acredito que sim, ontem, pensava que eras a mentiras de mim voando entre dois ponteiros de um relógio, este, não de pulso, este algures pendurado na parede da sala, dia sim, anda, dia não, dorme, não o oiço, não telinta as horas, os quatros-de-horas e as meias-horas, levo-o às urgências dizem-me que é

(tristeza, saudades e afins)

É louco, e que com umas drageias nunca mais se lembra da tristeza nem da saudade... nem da paixão, do amor, do prazer e da fome, felizes aqueles que podem tomar estas drageias, felizes aqueles

(parvalhão, ainda acreditas nisso?)

Aqueles, felizes, os que vivem sonhando com sombras misturadas com trincos de madeira, cadáveres de sorrisos balançando nos gonzos empenados quando descem dos algerozes as coisas estranhas que acompanham a noite, vivem nela, são ela, são... direito, esquerdo, levante o braço – Eu? - sim, o senhor, o senhor amanhecer, quarenta e sete anos, profissão desempregado, não dorme, deixou de sonhar, come pouco para prevenir enfartes e outras doenças, e vive, fingindo que vive à beira de um rio com o nome de

(sem destino)

De princípio acreditava nas amendoeiras em flore, nos socalcos e nas videiras, hoje, hoje apenas emagrece lâmpadas incandescentes para reciclagem, vive com duzentos e vinte volts e anda uma gaja baixinha, magra, de cabelo entrelaçado como faz o vento aos pinheiros desgovernados, na peugada dele,

(não acredito)

Coitada dela, da infeliz

(diz-se apaixonada por ele, loucamente apaixonada).

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:21

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO