Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

02
Mai 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Tinhas-me inventado debaixo da sonolência que a transpiração das árvores deixava impregnada entre roupas e pequenos papeis, havia entre nós uma caneta de tinta permanente, negra, havia nas nossas algibeiras alguns pedaços de granito, olhos, lábios, pintados, nuvens, algumas em pano simples algodão com tranças castanhas, na cabeça, um laço de porcelana, e tínhamos, e víamos, e sentíamos, os doces milhafres da saudade,

vivi como um sonâmbulo canino dentro de um canil de verniz, percebia pela claridade que pertencia aos desperdícios de um candeeiro, algures, perto de mim, algures, feito de ferro enferrujado, um paquete mergulhado nos teus seios, homens, mulheres e crianças, todos à espera da ancoragem, devagar, tão lentamente... que percebia-se-lhe, das pequenas sombras, os distanciamentos milimétricos até atingir o cais, longínquo, atulhado de caixotes, carros desgovernados acabados de sair do porão, metros debaixo de água, de cima, tão pequeninos... as formigas e as abelhas suspensas nas madrugadas de nós, enquanto a janela aberta nos silenciava os corpos húmidos pelo suor da noite em cacimbo que os pequenos cubos de vidro absorvem,

Da saudade, porquê se todas as noites cerram-se as persianas do amor, como lajes de granito sobre a terra árida do monte em pequenos delírios, como árvores em busca da sombra, como sexos à procura da insónia no divã expressamente deitado sobre o soalho do quarto vazio, sombrio, porque da janela, nada, nem a abertura, nem a luz, nada, sobejou entre nós, naquela noite, em escuridão, quando deixamos-nos adormecer e os nossos corpos passaram a zumbis envenenados pela saliva da tua boca com sabor a mar...

havia algas, havia pequenos grãos de areia, havia...

Imagens, sorrisos travestidos de dor, mãos cinzentas na penumbra como se o laço de porcelana que trazias na cabeça, hoje eternamente doentio, sobrevivesse ao cataclismo dos morcegos que alimentam a noite com pequenas migalhas de sangue, alguns répteis e outras tantas telas prontíssimas como o destino da fogueira, flores, lápis de cor, pastel misturado com suor, o teu corpo permanece dilacerante como a dança dos arbustos na despedida com a ajuda dos sorrisos construídos nas horas de vazio, o contador mergulha no horário e pára quando entras em casa, e percebo que o teu olhar fulmina qualquer ser vivo,

também eu, sinto-me vivo, ou não? Também eu adoro sorrisos e beijos de amêndoa recheadas com chocolate, também sonho com noites, inventadas por ti, e acariciadas por mim, também eu

Vivo, preciso de viver, como os peixes do teu aquário, “se tens aquário”, se não tiveres um aquário, peço desculpa pela ofensa, e onde se lê “como os peixes do teu aquário” deve ler-se “como os peixes do teu silêncio ventre”, e amanhã regressará o candeeiro do amor, entre cartas e flores em desenhos, pequenos guardanapos com parvas palavras, mas é isto o amor?

claro que eu percebia pela tua silhueta que um dia deixarias de aparecer junto à lua, percebia-se que um dia deixarias de sorrir, talvez só o tenhas deixado para mim, mas eu percebia tudo isso, excepto...

Porque morrem as fotografias com imagens a preto-e-branco?

Excepto que há sorrisos infinitos, como duas rectas paralelas se encontram no infinito, tudo isso eu percebo, nada de corações entendo, apenas que uns são de xisto, outros de açúcar... e ainda há aqueles invisíveis, frios, húmidos como as margens de uma ribeira que desce a montanha, e não esquecendo os pedaços de granito, olhos, lábios, pintados, nuvens, algumas em pano simples algodão com tranças castanhas, na cabeça, um laço de porcelana, e tínhamos, e víamos, e sentíamos, os doces milhafres da saudade, e das ruas vinham até nós os morcegos das noites sem numeração, confundiam-se nos números de polícia, e quando queriam entrar no número vinte e três da rua do Deserto, não, nem tão pouco, próximos, se encontravam da rua do Deserto, quanto mais do número vinte e três, e assim, e assim

porque morrem as fotografias com imagens a preto-e-branco?

Consegui afugentar os morcegos das tuas mãos de linho, consegui que os mesmos morcegos, quando esfomeados, nunca tenham encontrado a tua boca em desespero pelos meus lábios, e hoje, espero, acredito,

o que é acreditar, pai?

Acreditar... não sei filho, há muito o deixei de fazer.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:44

Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO