Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

05
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Percebia-te infindável pelos teus olhos de maré luar

escondias-te das minhas mãos e da minha pele rasurada por uma caneta de tinta permanente

percebia-se que em ti viviam estrelas de madeira

e perfumes como caixas de música

havia em ti uma janelinha de amor

e um pedacinho de suor quando descia a noite das árvores adormecidas,

 

Censurada

tu habitavas como eu em mim entre abelhas de aço

e pequenos grãos de areia que o mar escondia de nós

tínhamos o mel das noites quando adormeciam os cobertores da dor

sempre que tu e sempre que eu e sempre... apenas vivíamos percebendo-se pelas linhas de giz

que o vento um dia vinha procurar-te entre os destroços dos vidros estilhaçados,

 

Percebia-te infindável... maré luar

e mesmo assim subi à árvore dos silêncios para trazer-te do sonambulismo desejo

onde vivias pensando que de mim havia luzes coloridas como te tinhas habituado à cidade...

dos sonhos proibidos e inventados e imaginados

porque viviam nas caixas de música

os eternos poemas do homem encapuçado pela noite dos castelos de sal.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:42

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO