Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Ler-me-ás?

pergunto-me quando acordo, pergunto-me quando adormeço não dormindo, e percebendo que não te entendo, olho-vos no espelho do extremo oriente, subo sobre a cama, e à minha frente existe um velho guarda-fato, um espelho, engorda-me, dilacera-me e dizes-me que ontem havia um beijo suspenso na almofada que habita no cadeirão junto à estante dos velhos livros, cada um, uma personagem dentro dele, cada um, uma história cansada, velha, e os dentes de marfim do velhíssimo crocodilo em pau preto transportado do outro continente, atravessou o oceano, e no interior de algumas bicuatas... chegou intacto à mesa da sala de estar, anda por lá, deambulando como morcegos enquanto a noite come os sonhos das crianças nascidas em Angola, brinca, dorme, não consegue sonhar, e tantas vezes lhe oiço as palavras – O menino dá, mamã, o menino dá... - e as bolachas, aos pouco, entravam boca adentro com a ajuda de uma esferográfica, e quando acordávamos, ambos, via-mos nas paredes da sala as inscrições hieroglíficas que o tal menino tinha deixado,

Estupor, estrupício, e malandreco,

ler-me-ás? E quando acordávamos, ambos, a insignificante questão, olhava-te, e lia-te as poucas palavras que os teus olhos de cereja transpiravam, e perguntava-me

Ler-me-ás? Absorviam-nos as noites mal iluminadas, não dormíamos, não, e tínhamos medo das recordações também, elas, como as bicuatas, pequenas, tão pequenas que mal davam para encher um pequeno caixote de madeira, e tudo, em nós, pequeno, pequeno amor, pequenas palavras, e grandes dores, em pequenos peitos, com pequenos corações... ainda acreditas que o bicho consegue-se libertar das bolachas?

o miúdo crescido, enorme, não pequeno, vês? O miúdo atrofiado, chato, indigente, e insignificante como as pedras da calçada da Ajuda, não ajuda nada recordares-me que debaixo do rio havia garrafas de vodka estacionadas, sumo de laranja e gelo, por cima de nós, no andar superior, uma ponte em aço atravessava-nos, e como uma espada de areia, unia-nos os corpos separados anteriormente por uma onda gigante, tão gigante... que comeu metade da cidade e dos sonhos, tão gigante que nos obrigou a escondermos-nos debaixo do rio, entre garrafas e cadeiras em plástico, mesas também em plástico, e às vezes, tímidas, tremiam, dançavam como línguas de vento sobre a fogueira do desejo

Estupor, estrupício, e malandreco,

o corpo do texto, ele enlouquecido como o cio dentro dos peixes, “Liberation Serif” e de tamanho doze, o aquário de ti sobre o meu corpo ancorado ao travesseiro adormecido era literalmente içado pelo guindaste em desassossego que brincava, domingos à tarde, pelo desterro do abrigo a que chamavam de porto de mar, desembarcávamos depois de longas caminhadas e à nossa volta

Machimbombos em rotações milimétricas pelas mãos do avô Domingos, um pequenos cordel de fino cristal voava sobre as mangueiras despidas, sombreando-se-lhes pequenas cristas de galo desenhadas com os lápis de cor que alguém tinha adquirido numa superfície comercial num qualquer musseque da preferia da cidade, era noite, descia-nos como desejos esperando corpos nus, e o velho, cansado, entrava em casa como um petroleiro a entrar na barra e a fazer-se ao cais,

e umas das vezes foi estampou-se contra um dos candeeiros semeados no centro do passeio revestido com pequenas pedras e palavras...

Ler-me-ás?

claro que não...

 

(não revisto, ficção)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:23

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO