Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

18
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Entranho-me entre palavras ditas

parvas ruas começando na alvorada

nunca

terminando

vivendo debaixo do tecto da madrugada,

 

Sofrendo as palavras mortas

dor

como a chuva de Maio às esplanadas de suor

teu nosso corpo mergulhado na noite

e existem as palavras entre espelhos de porcelana,

 

A cama treme

o frio

a febre

teus meus braços fixos no leme da saudade

como um carvalho olhando o Douro da montanha apodrecida,

 

A mendiga mão que os teus olhos comem

sofrem

bebem as hóstias destinadas ao prazer do sémen encardido sobre os vidros de cor

que as ditas palavras

deixam sobre o orgasmo nocturno das bocas sofridas,

 

Mato-me conforme o prometido

quando absorvi o teu corpo de gesso

o teu corpo... de vidro

em cor

com dor...

 

sofrido.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:31

Maio 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO