Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

01
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Não és nada

eu que deixei de pertencer às esplanadas da noite amargurada

não és nada quando deixávamos suspensos nas cordas da tempestade

os silêncios os abraços e os olhos cansados das melancólicas marés encarnadas

não és nada

eu que deixei

da noite

envenenada

pela boca tua mão sibilada

havíamos exíguos perdidos espaços de uma casa abandonada

não

não és nada,

 

Não és nada

como sabíamos pertencer a um jardim com flores de pétalas feridas

garridas das faixas camufladas entre parêntesis e pontos de interrogação...

não

nada

como ninguém perceberia a tua ausência

de mim

da saudade inventada

por uma carta perfumada

não

sinto muito

mas... não és anda.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:27

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO