Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

05
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Comíamos as tristes noites de insónia

e acompanhávamos-nos como serpentes de dor

enroladas em nuvens de cor

e papel celofane suspenso dos lábios moliceiros em desejados sonos nocturnos

que a mão teu corpo envergonhado deixava cair sobre os geométricos alicerces clandestinos da luz,

 

Traços uniformes

seixos de mágoa que transparentes imagens de sons desconformes

voavam entre a madrugada

e a pele simétrica que cobre o sufoco jardim das clarabóias de cetim

às primeiras horas dos minguados sopros beijos,

 

Tínhamos na fome

o prazer de olharmos as árvores em descansos imaginários

como marés invisíveis

quando o vento as levava...

e a faca penumbra circunferência dos teus seios poéticos e melódicos ficavam esquecidos no interior de um livro de poemas,

 

(sinto-os endoidecer nas minhas mãos)

como a saliva e o folhear de páginas sem palavras

folhas tristes e brancas

como as janelas sem cortinados

como os olhos sem pálpebras,

 

Com o céu despido nu nas estrelas tuas mãos

fictícias manhãs desenhadas numa ardósia que um recreio escondeu

como as flácidas enguias que o prazer transformava em delírios moribundos

e de um pinheiro envelhecido

desciam margaridas flores com pétalas de pergaminho púbis...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:55

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO