Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

14
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

No cinzento mergulho som da tua voz

há poemas em flor

como madrugadas suspensas de mãos em odor

o silêncio amargo da boca em teus anseios

há pontes imaginárias

há medos inultrapassáveis

como travessias sobre os rios da saudade

de estruturas cansadas e distantes marés em sofrimento,

 

Há dias parvos e tristes e outros são-no como dentaduras em marfim

procurando os esqueletos de veludo

sobre a poeira do amanhecer

há dias como hoje sentido-os no caos fluido até atingir o mar

como um relógio sem pulso

pertencente a um pedaço de braço derramado no xisto falso da manhã...

há seios de arrependimento poemas às palavras derretidas nas formas do silêncio

subindo e descendo paredes de Inverno até regressar a Primavera do teu olhar agreste,

 

Há fome na tua boca como silvestre framboesa com imagens de infância

uma escola perde-se na penumbra montanha com janelas de vista para o inferno

vestem-se eles com toalhas de linho

e pequenos papeis coloridos

há música no teu coração de granito

quando desço sobre ti perguntando-me onde moram as estátuas de milho

aprisionadas no canastro da aldeia

há... no cinzento mergulho som da tua voz... há, há poemas em flor...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:08

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO