Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

28
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Em meu sangue flutuas como uma porcelana adormecida

uma Rainha desesperada

voas entre paredes e muros e escadas...

em meu corpo habitas falsamente no compartimento exíguo

onde deixo durante a noite alguns dos meus sonhos,

 

Finjo ter em mim uma morada

uma pequena casa com asas de papel

é triste a fachada

uma casa com cortinados de aço

onde suspendes os teus desejos quando desce a noite em nós,

 

Em nós?

Se tu não existes como não existem as amoreiras da nossa infância

como nunca existiram as cavernas encastradas nas rochas junto ao mar

éramos dois barcos com velas desenhadas numa sombra vinda do céu

como vinham até nós (Nós?) os silêncios amanheceres das falsas madrugadas,

 

E inventávamos janelas de abrir no sorriso dos transeuntes

que dizimavam cigarros de enrolar

ouvíamos o ruído da água sibilando das finas esferas de açúcar

que brincavam no corredor da memória...

havíamos de reencontrarmos-nos numa qualquer paragem do eléctrico,

 

E nós?

Pergunto se algum dias existiu Nós em nós?

Um vocabulário apreendido pela polícia numa rusga em Alcântara

mesas cadeira e nós

nós? Quem somos nós?

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:47

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO