Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

20
Jul 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Três dias após beijar os teus lábios de andorinha, cessei os braços nas tuas mãos de porcelana... e morri, recordo-me de ter cerrado os olhos, o verde em mim transformou-se em cinzenta neblina sobre o cansaço dos veleiros estacionados junto ao Tejo, amar-te-ei, pergunto-me? Quem és tu, se todas as flores vivem e morrem... quando o vento se alicerça nos minguados dias de tristeza, alimentas-te de orgias fumegantes e de gemidos lareira desvairada, líamos em conjunto os livros não lidos, virgens, e vivíamos como se tivéssemos acabado de nascer,

És uma chata quando me perguntas...

Amas-me?

Não o sei, porque esqueci-me o significado do amor, porque me esqueci o significado das palavras... porque me esqueci que ainda vivo, pouco, mas vivo miseravelmente como um pássaro que percebe que no próximo cruzamento uma munição será disparada em sua defesa...

Levante-se o réu

Levantei-te e gritei o desejo por ti, das tuas tristes flores, dos teus alegres lábios... e gritei das tuas sulfurosas lágrimas de enxofre..., e dizem-me que sou um miserável, um triste, um quase vagabundo percorrendo veredas e caminhos encruzilhados entre migalhas de centeio e palhaços de pedra, um rio renasce nos teus olhos

Não fiques riste minha amada indefesa e sonâmbula das tarde de Domingo, Amas-me? Sabendo eu que não sei o significado de amor, dos sonhos apenas trago em mim as pobres imagens vagabundas com purpuras sílabas semeadas no meu peito, saber-me-ás um dia converter em arbusto de Belém?

Um rio renasce nos teus olhos, de mim parece-me infinito o adormecer e a insónia, lembro-me das tuas imagens decalcadas em pequenos muros de betão que dividem a velha cidade da nova cidade, e são tão lindos os teus olhos de luar que percebo o significado da tua tristeza, sinto-o rosnar junto ao meu pobre tornozelo, porque tudo em mim é pobre, e percebo, que ele, o meu canino... sem dúvida... o meu melhor amigo, viver como as flores?

Lembras-te de mim, ainda?

E vivo, como se hoje fosse o meu último dia a pensar em ti...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:53

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO