Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

09
Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Porque são verdes as pedras da calçada do teu olhar
E íngremes as pálpebras da tua madrugada
Porque são cinzentos os lábios da tua insónia…
E tristes os silêncios da tua saudade,

Porque és de xisto se o teu corpo é mulher
Esculpida nas estrelas de mil cores
Porque escreves em mim
As palavras proibidas
As palavras
As outras
As cansadas
Porque gritas com as minhas lágrimas
Se estou à janela a contar os barcos no seu regressar…
Porquê?
Porque dizes que sou louco…
Se das minhas mãos crescem gladíolos com sabor a gelados de amar…

(Porque são verdes as pedras da calçada do teu olhar
E íngremes as pálpebras da tua madrugada,
Porque são cinzentos os lábios da tua insónia…
E tristes os silêncios da tua noite)

Porquê porquê?
Porque construíste um muro em betão
(entre o meu coração e os teus cabelos de vento)
Porquê?
Se amanhã é Sábado
E as lanternas do amor estão desligadas…
Sós e apagadas
Porque me dizes baixinho… devagarinho…

Que a solidão é um corpo estranho
Medonho
Sujo
Imundo… como as palavras que me gritas,

Porquê?

Porque são os teus dedos
As esferográficas dos mendigos
Porquê?
Se eu sou o veneno do teu viver…
A mentira que inventaste numa noite de tempestade
Porque deixaste ficar as árvores
E levaste contigo
Todos… todos os meus pássaros de papel!

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:16

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO