Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

07
Nov 13

Foto de: A&M ART and Photos

 

Não entendo as tuas insignificantes estórias, parecias-me cansada devido à azafama das cearas verdes enquanto dentro do palheiro cresciam as amarguradas tempestades tuas, as viagens sem regresso minhas, os transeuntes emagrecidos como sombras depois de correrem sobre a ponte dos abismos, e do outro lado, lá bem distante de nós, ouvíamos os pequenos uivos das paixões rasuradas no pergaminho corpo das donzelas nocturnas do desejo, e os automóveis envenenavam-se com as gargalhadas dos embriagados candeeiros de néon que a cidade alimenta com as sobejantes flores dos canteiros quadrangulares dos círculos prateados que os espelhos de luz transmitem para os muros doentios do ciume, amava-la?

Não, nunca a amei como amo as tas palavras de cetim adormecido...

Queria-la para procurares o mar?

Não, nunca a amei como amo as tuas saudades de verga enrolada nas dentaduras em marfim dos crocodilos de brincar, escrevia-lhe e deixei de o fazer,

Porquê?

Perguntas-me porque é triste a morte quando nenhum dos dois morreu, como se nós soubéssemos a dor que provoca a morte nos objectos, nas coisas, nas pessoas,

Quando morrer que tenha a tua mão entrelaçada na minha, e no entanto

Porquê?

Há pessoas assim, assim como? Assim... e no entanto descobrimos que a paixão é um bicho com asas de gaivota, e boca de pedestal abandonado, esperando o regresso de uma qualquer estátua, e

Porquê?

Porque elas gostam, porque eles gostam, porque a paixão é um bicho com corpo de mulher e dentro do corpo dessa mulher..., o tempo eterno, o tempo gasto com as superficialidades dos simples relógios de parede, alguns lixados com F Grande, outros, outros bruta-montes carregando caixotes em madeira do cais de desembarque até à pensão, chegando ao duzentos e dezassete...

Dormíamos,

Acariciávamos os tentáculos abraços das sombras de papel dos mendigos travestidos como lâmpadas clandestinas e apaixonadas pela letra de uma canção, sofrias, amavas e não eras amado, amada depois de crucificada nos cobertores diurnos das vertigens tardes de sexo prometido, e a cara -de-pau que o espelho absorvia do bengaleiro esperando a subida dos ditos homens carregadores que em cada degrau perdiam as réstias caixas em madeira,

Porquê?

E afinal, nada, vazios, perfeitos idiotas vestidos de camareiros carregando objectos inacessíveis, carregando objectos invisíveis, carregando memórias sem que tenhamos descoberto que a morte

Porquê?

Às vezes veste-se de alegria, como muitas das vezes a vida se veste de tristeza, e muitas outras

De nada,

Nada como dantes,

(Quando morrer que tenha a tua mão entrelaçada na minha, e no entanto

Porquê?

Há pessoas assim, assim como? Assim... e no entanto descobrimos que a paixão é um bicho com asas de gaivota, e boca de pedestal abandonado, esperando o regresso de uma qualquer estátua, e

Porquê?)

Não entendo as tuas insignificantes estórias, parecias-me cansada devido à azafama das cearas verdes enquanto dentro do palheiro cresciam orgasmos circunflexos, orgasmos recheados com vegetarianas mãos de orvalho, sentíamos a geada nas nádegas e sabíamos que lá longe, uma ponte atravessava o cais de desembarque, despediam-se os amantes, despediam-se os mortos dos vivos e os vivos das árvores e as árvores dos pássaros e os pássaros

Pai, o que são pássaros?

Bichos com asas...

A Paixão?

(Não entendo as tuas insignificantes estórias, parecias-me cansada devido à azafama das cearas verdes enquanto dentro do palheiro cresciam)

Cresciam dois corpos atravessando a puberdade em direcção às Termas de S. Pedro do Sul..., e hoje, hoje apenas fantasmas, e nada mais do que isso, fantasmas vivendo entre os lânguidos campos de milho, e ele, e ela, os dois

Espantalhos,

A Paixão?

Pai, o que são pássaros?

Bichos com asas...

 

 

(não revisto – ficção)

@Francisco Luís Fontinha

Quarta-feira, 6 de Novembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:09

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO