Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

06
Jan 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Limbos putrefactos onde habitam os esqueletos humanos, do húmus o húmus selvático que um insignificante transeunte transporta, desce a calçada, sobe as escadas do Adeus e depois, depois arrefecem as panquecas e os pastéis de bacalhau, há sempre preguiçosas luzes na calçada do senhor António Eu, há sempre pedras vestidas de sandálias e sandálias travestidas de pedras... rolam, rolam até que a noite cai sobre o alpendre da triste aldeia dos Macacos,

Vestiram-me de Anjo, colocaram-me umas parvas asas em sarja, não voei e quase caí da Mangueira abaixo, acreditando eu voar porque me tinham dito ser um

Anjo?

Sim, sim parvamente... um Anjo com asas e que nunca voou,

Caminhei e palmilhei calçadas, de sandálias parecia um parvalhão com asas enormes sobre os ombros, derreado, cansado... apeteceu-me insultar todos os presentes, chamei-lhes de filhos da mãe e a minha mãe

Triste,

E ouvia os Limbos putrefactos onde habitavam os esqueletos humanos, do húmus o húmus selvático que um insignificante transeunte transporta, desce a calçada, sobe as escadas do Adeus e depois, depois sente, sente sobre os ombros o peso da morte,

Triste, dizia-me ela,

Triste, ela sempre, digo-o eu,

Vagabundo imundo, dizia-me o senhor António Eu, e lá fui voando e tropeçando e caindo e me levantando, hoje olho-me numa fotografia, parvamente com asas, sorria

Pergunto-me, porque sorria este grande parvalhão?

Ora... se não voei, chorei, caí, me levantei, tropecei, cheguei a casa com os pés recheados de bolhas, subi a Mangueira e

Abri literalmente os braços, sentia as asas a prenderem-se aos ramos envelhecidos... e tombei sobre o térreo pavimento, junto a mim, estatelado do outro lado, o meu velho triciclo e o também meu parvalhão boneco de estimação, o

Chapelhudo?

Tardes inteiras a construir vestidos para este amigo e nunca conheci a sua família, e nunca

Quem vos mandou prometer?

Alguém prometeu se outro alguém ficasse curado, eu, o miúdo, fosse vestido de PARVALHÃO, levava asas de sarja e

Quase

Caí sobre o pavimento térreo acreditando que,

V O A V A...

Não voei, fui contrariado, também... quem os mandou prometer que eu ia sem me consultarem?

Não voei, não fiz mais vestidos para o chapelhudo, e quase

Vomitei,

Enjoei a principio quando (vejamos; a principio = no começo, e a princípio = em teoria), portanto está escrito correctamente, minha Adorável Senhora, continuando, enjoei a principio quando encontrei na descida um velho amigo meu, um famoso papagaio em papel, tinha quatro cores e um novelo de cordel, tinha-o roubado às rendas da minha querida mãe, e rendas refiro-me a crochet, não a outro tipo de rendas, que felizmente

Caí sobre o pavimento térreo acreditando que,

E enjoei, e vomitei palavras terminadas em

Alho,

Que confesso detesto, que odeio...

(Enjoei a principio quando (vejamos; a principio = no começo, e a princípio = em teoria), portanto está escrito correctamente, minha Adorável Senhora, continuando, enjoei a principio quando alguém me apelidou de “meu menino” e eu, olhei, eu... vi-o de bengala e não percebi o que ele fazia ali..., e a principio, não, não a “princípio”, a principio ainda acreditei que voava... pois se me tinham confirmado por escrito que eu era um anjo e credenciado para grandes voos...,

Grandes voos..., apenas fiquei-me por estilista do meu amigo Chapelhudo, e hoje, hoje tenho saudades dele e das suas mãos de borracha, e hoje...)

Hoje?

Ai... ai hoje, hoje... “Os Limbos putrefactos onde habitam os esqueletos humanos, do húmus o húmus selvático que um insignificante transeunte transporta, desce a calçada, sobe as escadas do Adeus e depois, depois arrefecem as panquecas e os pastéis de bacalhau”

E... Adeus; não voei e caí.

* E claro que o plural de pastel de bacalhau é pastéis de bacalhau; pastéis de bacalhau.

 

 

(não revisto – Ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 5 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:23

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


25



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO