Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

19
Mar 15

Margarida preferia o silêncio, Francisco fica-se pelas imagens de infância,

Lisboa, meu “Deus”,

Nasceu e cresceu na cidade das esplanadas e dos barcos, brincava na rua, durante a noite gritava

Angola...

Foi-se,

Morreu,

E à noite gritava pelos pássaros que durante o dia abraça invisivelmente como os cortinados da insónia,

Foi-se

Não quero pai, Angola, a guerra nas tuas veias, o Grafanil em baile de Carnaval, os nossos filhos

Já pensaste nisso?

A minha mãe chorava, acreditava que o filho mais velho teria o mesmo destino

Pai?

Que o mesmo destino do pai...

Foi-se, uma Sexta-feira partiu de mala aos ombros, lá dentro, quase nada, alguns livros, poucos, e o estojo da barba, impertinente, este homem, sempre aprumado,

Já pensaste nisso?

Pai?

Que o mesmo destino do pai... voar sobre as sanzalas de crista, STOP, ao fundo da rua, virava à esquerda

“Putas”

Livros,

Cigarros nos bolsos de Margarida,

Ainda fumas, minha querida?

Claro que sim, claro que sim...

STOP

Sem perceber que a vida é uma roldana em aço.

 

 

 

(ficção)

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 18 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:23

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO