Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

27
Mai 11

Esqueço-me que os dias correm apressadamente no meu pulso, e o meu corpo suspenso junto a uma tenda na feira da ladra, um velhote sorri-me, um velhote pisca-me o olho, faz-me sinal, e eu, por entre a multidão, piso-lhe a sombra, viro à direita e atraco num barracão, entro, mas antes de entrar, eu olho-me ao espelho do portão de entrada, ferrugento como um cacilheiro perdido na neblina, sinto o cheiro do Tejo, tenho farrapos para troca, mas ele, ele só disponível para vender, e sendo assim, não negócio, sendo assim vou ter de endrominar o velhote, o meu camarada,

- o meu camarada ofendido com a minha filosofia, o meu camarada em silêncio junto a um amontoado de botas militares, diverso fardamento, trapos,

O velhote insistia comigo que não trocas, só vendia,

- se precisar tenho pistolas, facas, munições, e com jeitinho, com jeitinho até lhe vendo uma metralhadora,

Só se for para enfiar no rabo, olha agora, de que me serve uma metralhadora, isso temos nós muitas no quartel,

- e nós só precisamos de trocar fardamento que gamamos e que pertencia aos desertores, trapos, alguns ainda do tempo colonial,

Eu falava, ele escutava-me com atenção, e possivelmente confundi-o, possivelmente ele a pensar que eu feirante, e eu nada, eu apenas um gajo que tinha saído de Trás-os-Montes e gostava de ler livros, e o velhote parecia enfeitiçado, mas não estava, mandou-nos semear no pavimento todos os trapos que levava-mos, passo-lhe a lista para as mãos, roupas necessárias para efectuarmos o respectivo espólio, troca feita, troca feita e ele,

- cinco contos está bem?

Olhamos uns para os outros, ficamos em silêncio, tudo indicava ser um óptimo negócio, pois só o casacão custava quinze contos,

- vou à carteira para retirar os cinco contos, mas tinha percebido mal, o velho é que ficava com os nossos trapos em troca do que precisava-mos e dava-nos cinco contos, e enquanto eu recebia o dinheiro, o outro, o meu camarada Moreira ainda com tempo de roubar um par de botas ao velhote,

E isso não se faz, esqueço-me que os dias correm apressadamente no meu pulso, foi uma festa, e só conseguimos regressar ao quartel ao final da noite, perdemo-nos no Tejo, e o vento era tanto, tanto o vento que os nossos corpos pareciam folhas de papel rodopiando na calçada… mas chegamos, e tesos… 

 

 

 

(texto de ficção)

Luís Fontinha

27 de Maio de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:54

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO