Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Fev 20

84119804_3366909149993194_7169155136990740480_o.jp

Francisco Luís Fontinha – Alijó.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:48

03
Fev 20

83883772_3364666333550809_968260124449701888_o.jpg

Em construção. 60x80 acrílico s/tela. Francisco Luís Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:50

02
Fev 20

83411064_3362389723778470_599148053756116992_o.jpg

50 x 60 acrílico s/tela. Francisco Luís Fontinha.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:47

31
Jan 20

O suspiro da noite, enquanto a morte vagueia nas sílabas loucas da paixão.

O silêncio das palavras, perdidas nos livros invisíveis da solidão,

Um poema chora,

Alicerça-se na confusão da cidade,

Soltam-se todos os caninos vadios,

Correm em direcção ao petroleiro estacionado junto ao Tejo,

E, um soldado, procurando alimento, senta-se na sombra da neblina.

Todos os pássaros são felizes, ainda que sejam transparentes,

Nas paredes de xisto,

Olhando o Douro,

Desenhando socalcos no bico;

A jangada, afunda-se, como a mão do mendigo,

Quando fundeada na sopa trazida pela tempestade.

Chove, ouvem-se os ruídos da manhã,

Automóveis esfomeados levitam sobre as palmeiras,

Os transeuntes sofrem de pasmo,

Riem, como loucos,

Dentro de quatro paredes de vidro.

O suspiro da noite, sempre em alerta máximo,

Esconde as palavras na algibeira,

E bebe pequenos tragos de nada.

Hoje é sexta, noite como tantas outras,

Não interessa,

É noite, é triste a noite, quando se despede da tarde.

Os amantes fogem como fogem os mortos da sombra,

De roupa engomada, os tristes mortos, riem-se do silêncio amargurado que transporta o desassossego,

Tenho medo, dizia-me ele, quando acordava olhando quatro janelas de cartão,

Perdia-se na imensidão do espaço,

Cansado da vida,

Cansado da noite;

O suspiro. O suspiro da noite.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

31/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:47

83327000_3357362884281154_7520652876788531200_n.jp

Novo livro de Francisco Luís Fontinha. Brevemente.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:02

26
Jan 20

83427797_3345019198848856_108267930734559232_o.jpg

50 x 60 – Acrílico s/tela – Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:02

25
Jan 20

Percorro estes montes de ninguém,

Na ausência do prometido poema,

Cansaço da madrugada,

Quando alguém me chama,

Me grita,

E me acena;

Triste é esta calçada,

Onde habito sem memória,

Sem história.

Na noite desgarrada,

Escrevo, pinto, o teu retracto,

Passeio-me pelo infinito amanhecer,

Sem perceber,

Que nas minhas palavras,

Vivem os esqueletos malvados,

Sem sono,

E, alicerçados,

Às palavras vãs,

No bosque,

As árvores, o silêncio da luz,

Que me traz a saudade.

Pinto,

Sinto,

Que todas as sílabas,

São balas assassinas,

Munições de esperança,

Quando acorda a noite.

Sabes?

Amanhã serão apenas sombras,

As tuas palavras,

Que alimentam a madrugada.

O silêncio da luz,

Nas mãos do poeta…

Perde-se,

Vive-se,

De quê…?

Sempre que amanhece,

Neste corpo zangado,

Filho e filha,

Passeando por aí…

Passeando ausente,

De mim,

E, de ti.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

25/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:08

06
Jan 20

A vida suspensa nas madrugadas de areia.

O cansaço das palavras na boca do Psicólogo, às vezes, tenho medo,

Da escuridão das personagens,

Quando o homem do chapéu negro,

Invade as paredes transparentes da saudade.

Está frio, meu amor.

O mar está longe,

Como as migalhas da solidão,

E este veleiro não pára,

Move-se,

Alimenta-se da minha pobre sombra.

Tenho medo, meu amor.

Tenho medo da saudade,

Quando inventada pela claridade dos dias tristes,

Cansados de viver.

Escrevo-te,

Desenho-te,

No caderno prateado que traz o silêncio da morte.

A verdade, custa.

O silêncio da verdade, custa mais…

Mas não interessa se as árvores vão sobreviver à saudade.

Porque dentro de mim, meu amor,

Só existe o cansaço das palavras.

Nada mais.

O cansaço das palavras.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

06/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:36

04
Jan 20

Eu sabia que era noite.

Percebia que as lâmpadas da saudade se acendiam pela primeira vez, e, no entanto, dentro de mim, uma simples constipação de palavras brincava num pequeno verso,

Triste, distante, eu sabia que era noite, e que os holofotes da desgraça vinham em minha direcção.

Esqueci-me de olhar o pôr-do-sol, não interessa, amanhã novo pôr-do-sol acordará, sem insónias, sem preguiça, como hoje, dentro dos lençóis iluminados pela tempestade de silêncio que se faz sentir dentro da casa, submersa em pequenos fios de nylon, e às vezes, não muitas, o poeta arrepende-se de ter escrito o poema; acontece quando o amanhecer é tardio, frio, ambíguo…

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

04/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:43

27
Dez 19

Sou um petroleiro fundeado nos teus braços,

Meu Tejo dos cansaços.

Sou um petroleiro em combustão,

Nas manhãs de nevoeiro,

Sou a fogueira da madrugada.

Sou um petroleiro,

Cansado da geada,

E do cacimbo da tua mão.

Sou um petroleiro esfomeado,

Passeando no deserto tua canção.

Sou um petroleiro avariado,

Nos rochedos da solidão.

Sou um petroleiro vagabundo,

Imundo.

Sou um petroleiro sem comandante,

Que Às vezes vai ao fundo.

Que Às vezes, sente.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

27/12/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:55

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO