Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

10
Mar 16

Caminho apressadamente
Para os teus braços invisíveis
Regressa a Primavera e depois o Verão
E nós sem amanhecer
Nem vontade
De desenhar a alvorada no chão…
O teu corpo sente
O meu corpo mente
Velozmente
As palavras de escrever
Caminho apressadamente
Com vontade de te ver
Sentir em mim o sentir
No brincar das tuas mãos em liberdade
Com o poema de sorrir…
Caminho
Caminho apressadamente
Como um livro a fugir
Da fogueira do adeus
E do vento
E da chuva
E do beijo a cair
Sobre os lençóis da madrugada
A penumbra espuma
Saltitando à janela
Sem bruma
Nem desejo que segure nela…

Francisco Luís Fontinha
quinta-feira, 10 de Março de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:27

09
Fev 16

A álea manhã ensanguentada

Fugindo da madrugada,

Das sílabas amargas do poema inacabado

Suspenso na esquina da avenida na cidade inseminada,

O cansaço coração repatriado

Descendo a montanha salivar,

O visitante perdido

Procurando os lábios da paixão

Que só ele sabe desenhar,

O poder da morte brincando no mar

Arrastando barcos para a destruição…

Um cigarro esquecido na mesa-de-cabeceira,

O silêncio à volta da ribeira…

Correndo para o rio dos murmúrios,

Um pedaço de terra que chega

E sobra

Para cobrir o olhar da serpente,

A álea manhã ensanguentada

Fugindo da madrugada,

As fotografias da solidão

Dentro de um pequeno livro,

Procura-se o alívio

E o repouso do tempo monstruoso…

E a álea manhã

Sentada à janela,

Em gritos espasmos

Revolta-se contra o desleixo da noite,

O ciúme envergonhado

Na lápide do artista,

As palavras ternas na mão do viajante,

Fugindo da madrugada

E da gente,

Como nós defuntos

Abraçados aos rochedos da saudade…

Outro cigarro,

Outra morada anónima,

O machibombo engasgado nos alicerces da picada,

Não me apetece olhar-te,

Não me apetece alimentar-me da tua ausência,

E a álea manhã

Sempre pronta para me acorrentar

Ao peito da madrugada…

 

Francisco Luís Fontinha

terça-feira, 9 de Fevereiro de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:21

14
Ago 15

desenho_14_08_2015_2.png

(Francisco Luís Fontinha – 14/08/2015)

 

Nunca me disseste onde aprisionaste os teus olhos cinzentos,

Permaneço um farrapo dançando ao som do vento,

São tão tristes as noites, meu amor…

 

Pareço um veleiro acorrentado às fotografias de ontem,

Olho-me de espingarda ao tiracolo da minha sombra,

Tenho balas em cartão,

Beijos floridos fundeados no teu coração…

 

E sinto-me contente porque fumo, bebo… respiro o perfume da tua ausência,

 

Não existe em mim a solidão,

O medo…

E as belas âncoras dos teus seios gritando…

Saudade,

 

Escrevendo no meu corpo…

Amo-te,

 

Desenhando nos meus braços,

 

A cidade.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 14 de Agosto de 2015

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:37

21
Jan 15

Pintura_63_A1_Nova.jpg

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

não imagino a tua ausência

meu amor

sou o espelho do sofrimento

da tua luta

imagino as tuas lágrimas de silêncio

no pergaminho sono da clandestinidade

vais morrer

e nada tenho para escrever na tua lápide....

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 20 de Janeiro de 2015

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:51

23
Nov 14

Sinto a falta do fumo do teu cigarro,

não percebo a ausência das tuas mãos...

quando poisavam no meu rosto,

e dos teus lábios sobejavam palavras que não me cansava de ouvir...

sinto a falta do teu olhar embrulhado no cacimbo,

e das mangueiras que brincavam no nosso quintal,

desenhando bonecos de sombra no meu peito,

sinto a tua falta...

e imagino-te a galgar o portão de entrada com um brinquedo debaixo do braço,

e eu...

e eu adormecia no teu colo,

sonhando com barcos de papel e triciclos de luz...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23 de Novembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:07

02
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Círculos, círculos de ténue luz sobre os teus olhos cinzentos,

lá fora ouve-se o granizo comendo os sonhos daqueles que dormem, e saltitam sobre as nuvens de vento,

lá fora há pálpebras que choram,

automóveis que se recusam a andar,

suspendem-se nas canadianas, procuram de vez em quando uma bengala de verniz...

lá fora tudo parece ser feliz, as plantas argumentam nas palavras os distintos sons dos teus lábios,

círculos,

quadrados,

quarta-feira... a luz inverna e todos os silêncios ancorados a ti,

tu, quem és?

tu... tu o que fazes junto a mim quando me olho no espelho, quando descrevo as nódoas do meu rosto por meia dúzia de palavras, tão poucas... mínimas... que apenas pronuncio... “ausência e dor”,

e círculos..., círculos viciados em sexo e drogas, deitados na relva do pôr-do-sol,

e... e círculos, círculos de ténue luz sobre os teus olhos cinzentos.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:46

04
Set 13

foto de: A&M ART and Photos

 

um dia serei eu

um dia acordará a madrugada vestida de branco

com uma pétala de rosa em cada estrela suicidada

um dia vestir-me-ei de amanhecer

como as páginas de um livro perdido na livrarias em poeira...

 

um dia acordarei e tu és uma pausa

como as sombras do musseque

depois da chuva se entranhar na terra ressequida

um dia

um dia ausentar-me-ei... como as bananeiras do teu sobrolho

 

como as sílabas dos teus lábios

e um dia saberás quem sou porque morri

partirei para a terra de ninguém

não estarás certamente à minha espera... porque tu não existes

porque tu és uma feiticeira com asas de carvão e boca de crocodilo

 

 

(n ã o r e v i s t o)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 4 de Setembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:01

03
Jul 13

foto: A&M ART and Photos

 

Como tu

refugiada em palavras mortas

mórbidas borboletas de veludo

voando

sonhando câmbios e orgasmos das neblinas filhas da madrugada

sou

como tu

embriagado pelas luzes do extinguido habitáculo de nylon,

 

Como tu

uma árvore em silencio no recreio da velha escola

sentamos-nos? Podíamos entrelaçar as mãos como fazem as andorinhas

quando

como tu?

Acordam as letras envenenadas das canções de amor...

 

Não sou nada

parecendo uma pedra lançada ao vento

e cai gravemente sobre o teu peito...

e da ferida... uma pequena rosa sobrevive aos teus lamentos,

 

(Como tu

refugiada em palavras mortas)

 

E insignificantes espelhos da eira triste

dançando como as bailarinas das fotografias suspensas no gesso alicerçado às mãos de um inocente homem com barba branca

dançamos?

 

(mórbidas borboletas de veludo

voando)

 

Nunca mais regressarei aos teus abraços braços

porque agora sou um barco

sem leme rumo ou velas

sem motor marinheiro ou perfume teu dentro de mim

caminharei sobre os cedros apodrecidos de uma lápide significando a minha ausência

nunca

regressarei ao porto de abrigo

para ser ancorado e aprisionado a uma corrente enferrujada com sintomas de tuberculose...

 

Fumamos?

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:08

24
Nov 12

Há-de crescer um narciso

nas lágrimas de xisto

suspensas no silêncio teu rosto mergulhado em ti

vulcão apaixonado

que da ilha supérflua em círculos de luz

vivem nas ardósias tuas bocas deliberadamente loucas

dos cortinados da melancolia

e eu eu sentia,

 

as palavras tontas

dos oceanos regressos em pedacinhos de nada

amanhece em mim

as ervas daninhas do sofrimento

em dor

ou não

o teu corpo dilacerado entre as mandíbulas assassinas

que a madrugada desenha na areia fina,

 

há-de crescer um narciso

nas lágrimas de xisto

há-de crescer um rio que dentro de ti infinitamente ausente

nas palavras suspensas no silêncio teu rosto mergulhado em ti

e eu eu sentado nas escadas da cidade

contando os barcos invisíveis

que descem a calçada

e se suicidam nas janelas da saudade.

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:03

20
Set 11

Querido francisco,

A tua falta imprime-se nas sombras dos cortinados, abro a janela e olho o mar, ondas e ondas e espuma, e o teu corpo ausente de mim, longe, mergulhado em lágrimas junto à maré do outro lado do universo, abraço-me e com toda a minha força imagino o teu corpo dentro de mim,

 

E com a minha voz grito para o mar Querido francisco, querido francisco…, espero pacientemente pelo teu regresso, horas e muitas horas, e do mar não tu, do mar as algas embrulhadas nas tardes de outono, o cheiro a incenso que arde sobre a mesinha-de-cabeceira, e nos meus lábios a saudade dos teus beijos ao acordar,

 

A tua falta imprime-se no meu cansaço, e cerro os olhos para me esquecer da tua ausência, e volto novamente à janela virada para o mar, e nada, não tu,

 

Faço-te poemas, construo textos porque sei que os vais ler,

 

Talvez não os leias,

 

Talvez os ignores,

 

E acordo na sombra do quarto, olho em redor e tu não estás, volto a olhar, e não tu, apenas eu sentado à tua espera,

 

E recordo,

 

Querido francisco, abraço-me e com toda a minha força imagino o teu corpo dentro de mim, um só corpo, apenas os meus lábios suspensos nas sombras dos cortinados, e recordo,

 

Sentado à tua espera,

 

E talvez não os leias,

 

E os ignores,

 

Faço-te poemas quando regresso tardíssimo das caves imundas junto ao tejo, cansado das porcarias que se alicerçam na minha cara, cansado dos sapatos que me erguem quase até ao céu, e é quando regresso a casa, cansado do loiro falso do meu cabelo,

 

Um abraço, um beijo,

 

O teu corpo mergulhado na espuma do mar quando o mar entra pela janela e esconde-se debaixo do guarda-fato, e aos poucos sinto o teu corpo nas minhas mãos,

 

Mergulhado em lágrimas junto à maré do outro lado do universo, sentado à tua espera, e talvez não os leias, e os ignores, mas escrevo-te todos os dias, todas as noites, os poemas que te dedico no final da noite, e talvez não os leias,

 

E os ignores,

 

Querido francisco,

A tua falta imprime-se nas sombras dos cortinados, abro a janela e olho o mar, ondas e ondas e espuma, e o teu corpo ausente de mim, longe, e não sei onde o procurar…

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:03

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO