Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Mar 11

 

 

MiLove

publicado por Francisco Luís Fontinha às 16:38

03
Mar 11

 

MiLove

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:43

Preciso que pegues na minha mão

Disfarçada de pétala,

Abandonada

Sem tela para brincar,

 

Escondida nas cores do teu olhar…

Preciso da manhã,

Perdida

No teu imaginário mar,

 

Quando ao longe vejo a saudade chorar.

Preciso que pegues na minha mão

Quando o dia acordar,

E baixinho sussurrares – estou aqui para te segurar…

 

 

Luís Fontinha

3 de Março de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:52

Moribundo eu junto ao cais que da maré se instala em mim o pôr-do-sol, as minhas pernas prisioneiras nas algas e nas minhas mãos sobrevivem aos sorrisos da madrugada passada, ele encostado ao silêncio, o outro ele, eu, quietinho como esperasse pelo acordar da noite, e ele desassossegado grita-me pedindo socorro,

- ao longe oiço a voz que me chama e da voz vem até mim o olhar que deixei pendurado numa nuvem, e da nuvem uma gaivota sobrevive à tempestade,

O néon da rua acorda, e bate em mim o vento que aos poucos em desenhos constantes dá vida aos meus cabelos, os meus olhos pairam dispersos no nada, e a minha boca desgovernada atira-se à noite,

- é tão longa a noite…

É tão longa a noite e ele gosta da noite porque é negra, e hoje possivelmente nem luar acordará, e eu dou por mim a contar minutos, um relógio pendurado na sombra avisa-me que são oito horas e vinte e cinco e trinta e seis, porra, tantas palavras para descrever um momento que já é passado,

- passado? Vamos em viagem ao futuro,

Que futuro…

O corpo dele começa a esquecer-se como eram as acácias, e que junto ao mar brincam gaivotas com cio, o corpo aos poucos é absorvido pelo sorriso da maré e do pôr-do-sol apenas ficou a areia fina da tarde,

- tenho medo da minha sombra quando se esconde dentro do guarda-fatos, e eu chamo por ela, e ela finge que não ouve, procuro debaixo da cama, não está,

Onde estará a tua sombra?

- acabo de olhar um machimbombo que passa e me sorri, não vai lá a minha sombra, e junto ao capim também não,

Talvez a tua sombra esteja dentro da tua mão, já viste?

Ele incrédulo abre a mão, olha-a como se fosse uma jóia acabada de nascer, nada, sombra nenhuma, apenas tem escrito,

- sou um inútil,

Moribundo eu junto ao cais que da maré se instala em mim o pôr-do-sol, respiro, deixo de respirar, acordo, adormeço, e oiço o balançar dos paquetes iluminados na noite escura, ele encostado ao silêncio, o outro ele, eu, faço desenhos na areia com as pontas dos dedos comidos pelo cansaço, e em voz alta ele pede-me socorro,

- ao longe oiço a voz que me chama e da voz vem até mim o olhar que deixei pendurado numa nuvem, e da nuvem uma gaivota sobrevive à tempestade,

O meu corpo suspenso num sorriso…

 

 

Luís Fontinha

3 de Março de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:27

 

 

MiLove

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:46

 

 

MiLove

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:12

02
Mar 11

Eu veleiro fundeado

No teu ventre de rosas

À espera de um olhar teu

Para começar a navegar,

 

Brincar no oceano dos teus seios

Quando a maré do teu sorriso

Me libertar…

E eu veleiro, zarpar.

 

Eu veleiro fundeado

E do vento dos teus cabelos

Uma gaivota saltita na minha mão,

Não me diz – olá… e nas suas asas doiradas

 

O silêncio das minhas velas.

Preciso de vento para me alimentar

E as rosas do teu ventre

Dormindo no meu peito…

 

Cansadas.

Eu veleiro fundeado

No teu ventre de rosas…

E do mar vem até mim um braço gigante

 

Que me aperta como se fosse a tempestade,

Traz vento,

Traz saudade…

Eu veleiro feliz…, posso começar a navegar.

 

 

 

Luís Fontinha

2 de Março de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:25

 

 

MiLove

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:09

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:25

01
Mar 11

Sinto-me supérfluo e as rosas do meu jardim

Em revolução,

Em protesto pelo pão

Dissolvido em pétalas longe de mim,

 

Escondidas nas sombras que da minha mão

Acariciam infinitamente a terra prometida,

Uma rosa amarela na ânsia da partida

Despede-se do meu coração…

 

Abraça-me e oferece-me um beijo

E dos meus lábios acorda a madrugada,

Sinto-me supérfluo e a rosa amarela cansada,

Sem pão, à espera de um desejo.

 

 

Luís Fontinha

1 de Março de 2011

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:15

Janeiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO