Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Ago 14

Serás a eterna folha de papel,

a pele húmida da tempestade que me embrulha quando cai a noite na eira de Carvalhais,

oiço o espigueiro atrapalhado no interior das canções de um sino em delírio...

oiço a tua ofegante voz quando tentas tocar-me... e foges, e desapareces no trigo silêncio da madrugada,

serás a eterna folha...

onde vou escrever os meus beijos, onde vou escrever as minhas caricias e os meus desejos,

 

Serás o rio onde me vou sentar,

os socalcos seios onde poisarei a minha cabeça...

depois... depois de acordar,

 

Serás a migalha de prazer que deambulará numa cama inventada,

os lençóis de seda que as tuas mãos aprisionam..., os sótãos do amanhecer,

e os gemidos quando és penetrada,

serás o luar,

e os versos ensonados das manhãs de liberdade,

 

Serás a eterna folha de papel,

a tinta ensanguentada dos orgasmos poéticos,

serás a eterna claridade dos espelhos de brincar,

o carrossel de uma cidade..., o cansaço de uma noite de amar,

serás o trapézio que se esconde na ardósia da tarde...

… a geometria nocturna de um corpo entranhado pelo poeta sem nome!

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 8 de Agosto de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:24

27
Jul 14

Feliz aquele que tem alguém para amar,

feliz aquele que tem um livro para ler,

escrever, tão feliz... tão feliz aquele que sente a noite adormecer,

adormecer... nos braços do luar,

 

Feliz aquele que tem lábios para beijar,

que habita numa boca com sorriso de amor,

feliz aquele que inventa cabelos na planície do amanhecer,

e sem querer... e sem querer começa a chorar,

 

Felizes os barcos que têm marinheiros de papel,

corpos nus, corpos com sabor a mel...

feliz aquele que tem seios para pintar,

segredos para desvendar, quando o calendário da solidão... desaparece no mar,

feliz, eu?

talvez venha um dia a acreditar,

que há sanzalas com odor a chocolate,

que existem nuvens plantadas nos socalcos das coxas cinzentas dos pinheiros bravios...

feliz aquele que morre sem o perceber,

feliz..., tão felizes os cigarros de fumar,

tão felizes os cigarros de viver,

… quando há uma mulher embrulhada numa folha amarrotada,

 

Feliz aquele que tem alguém para amar,

feliz aquele que tem um livro para ler,

feliz..., tão feliz aquele que tem um poema a crescer...

a crescer... no verbo desejar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 27 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:08

26
Jul 14

Há um beijo desgovernado,

há uma planície na frescura dos teus lábios,

um livro que arde, um livro que desiste de amar...

há silêncios com sabor a amanhecer,

olhares desatentos, olhares... olhares suspensos nas pálpebras da solidão,

há uma mulher com asas de papel na varanda do terceiro andar,

não chora,

não... não olha para ninguém,

há um beijo desgovernado,

uma manhã prisioneira que teima em acordar,

há um veleiro perdido no mar,

onde habita o marinheiro amor,

 

Há um corpo que procura os rochedos da dor,

e finge ser a preia-mar, e finge ser a cidade inacabada, sem braços, sem mãos...

sem... sem madrugada,

 

Há uma planície na frescura dos teus lábios,

um rio que desce a montanha sem perceber o significado da paixão,

há peixes assassinados,

peixes... peixes coloridos no cansado coração,

há um terceiro andar, e há uma rua com cabelos de oiro,

uma eira esquecida nas noites de luar,

uma estrada,

o livro que arde, e não sente nada,

há... há uma mulher... há uma mulher amada...

sem o saber, sem o sentir,

há um beijo,

um beijo que não sabe sorrir...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 26 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:07

22
Jun 14

Há uma cidade no teu corpo,

uma cidade proibida, uma cidade com lábios de despedida,

há uma rua pequenina, uma rua com sorriso de menina...

há no teu corpo janelas com vidraças de cansaço,

edifícios abstractos, e portas de entrada sem saída,

há uma cidade no teu corpo,

a cidade de aço,

uma cidade com um beijo morto,

 

Alicerçam-se as algas nos teus magoados cabelos suspensos no vento...

 

E a cidade do teu corpo..., é uma cidade de sofrimento,

entre linhas, entre palavras, com sabor a neblina,

há uma cidade preguiçosa no teu corpo,

a cidade eterna, a cidade sem alimento,

 

Nesta cidade, a cidade que habita no teu corpo, há um mendigo sem sina,

uma estrada longínqua, um rio insípido mergulhado na tua mão,

quero esta cidade, a minha cidade,

quero o teu encerrado coração,

 

Alicerçam-se as algas nos teus magoados cabelos suspensos no vento...

 

Há uma cidade no teu corpo que invento,

proibida, proibida como os cacilheiros adormecidos,

a cidade que fervilha,

a cidade que me deseja, e me transporta para os infinitos rochedos,

há uma cidade com bocas, com línguas... com... com medos,

uma cidade de torpedos,

vadia, proibida... uma cidade com esqueletos esquecidos...

(Alicerçam-se as algas nos teus magoados cabelos suspensos no vento...)

que dormem nos teus braços de papel amarrotado.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 22 de Junho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 15:20

28
Mai 14

Hei-de encontrar-te

nas masmorras cinzentas do sonho

esquecer-me das noites em solidão

e voar sobre os cadáveres desgovernados das tuas mãos de pano

hei-te encontrar-te

no círculo mais secreto do teu corpo

disfarçada de nuvem

ou... ou vestida de neblina

hei-de encontrar-te

no rio da insónia com cabelos de nenúfar

na cama clandestina da madrugada

ou no sofá com lençóis de pergaminho desejo,

 

Sentir que há vida na tua boca

perceber que há flores nos teus seios doirados

sentir a água louca

descendo as tuas coxas que alicerçam soldados

sentir o beijo efeminado com perfume de menina

saltar as giestas cansadas da montanha assassina...

 

Hei-de... hei-de encontrar-te

nas masmorras cinzentas do sonho

galgar as sombras escadas dos edifícios amarelos

ou

ou esperar... esperar que tenhas vida

que sejas a manhã em construção

a estrela do amanhecer

hei-de encontrar-te

no vão do medo

como se fosses a mulher planeta da constelação do amor

encontrar-te

hei-de... hei-de encontrar-te no silêncio do teu orgasmo.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 28 de Maio de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:52

18
Mai 14

Das palavras que me obrigas a escrever

oiço-as em teu dedos pincelados nos pérfidos desejos

reescrevo-as

e desenho-as no teu corpo mergulhado na amarrotada pele de seda

das palavras que me obrigas...

escrevo-as

dito-as

e finjo estar acordado,

 

Sei que as tuas tristes sílabas vagueiam no meu peito

como sementes esquecidas no vento

sei que nos teus lábios habitam agulhas de algodão

que servem para afugentarem as minhas palavras,

 

Das palavras que me obrigas a escrever

elas se acorrentam aos meus braços

fazes de mim um prisioneiro vadio

ou uma árvore sem coração

correndo sob a neblina do teu olhar

delas

apenas o perfume do néon que a cidade engole,

 

Mulher prisão

mulher inseminada das minhas tristes palavras

mulher de negro

mulher... mulher paixão,

 

Das palavras minhas que que obrigas a escrever

faço-o apenas porque os meus dedos deambulam no nocturno Oceano

escrevo-as

apago-as

afogo-as como mágoas

as palavras

as palavras que me obrigas a escrever

eu as escrevo para te silenciar...

 

Há mendigos palavras

homens enlatados descendo a avenida

há as minhas malditas palavras...

delas e elas... as palavras sem comida,

 

Uma duas três tristes palavras

uma duas três quatro... quatro vogais descendo as tuas coxas de iodo

uma janela peneirenta

e uma porta de entra roxa

e há uma varanda onde tu lês as minhas tristes palavras

aquelas que me obrigas a escrever

a vomitar sobre as páginas de um rosto em sofrimento

das palavras que me obrigas a escrever,

 

Há palavras obrigadas a viver

dentro de mim

e por ti...

por ti menina das palavras...

 

Há palavras que eu não quero escrever

há escrever sem palavras que recuso ler

há a menina das palavras

com correntes em aço

palavras prisioneiras

palavras amaldiçoadas

palavras que o púbis da caligrafia

semeia no corpo da menina das palavras.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 18 de Maio de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:57

17
Abr 14

oiço os tentáculos do meu sonho

quase que lhes toco

acaricio-os como se fossem o rosto negro da mulher com asas de saudade

converso com eles... mas existe um cortinado de estanho que ofusca o fumo da solidão

sei que do outro lado do cortinado vives e tentas agarrar-me

mas eu voo sobre os telhados de vidro que tens no teu cabelo

oiço-os

quase que lhes toco...

e acordo e percebo que apenas há noite e pedacinhos de sombra acorrentando o meu corpo...

sou ou não sou um corpo navegante?

um corpo... em busca do cais do sossego

oiço-os e toco-lhes oiço-os e toco-lhes oiço-os e toco-lhes

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 17 de Abril de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:26

08
Mar 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Tocavas-me e eu sentia-te fervilhar nas minhas veias dilatadas,

embrulhavas-te nos meu seios de xisto como ventos desgovernados,

frívolos e cansados,

ouvias-me em pedacinhos gemidos... e ficava no cortinado, impregnado, um pequeno... um pequeno AI... sem sentido,

as sílabas estonteantes vagueavam no tecto da paixão,

cessavas-me as carícias e eu mais parecia um veleiro à espera do pôr-do-sol do que uma mulher em desejo,

depois... depois vinham as andorinhas, sorriam-nos os botões de rosa...e... e anoitecia em nós o amor das palavras,

tínhamos medo das estrelas,

e dos longínquos cadeados do silêncio sobre as nossas pálpebras de cogumelo,

acordavam as alegres melodias poéticas que vinham a nós em nuvens, pequenas abelhas... e anoitecia em nós o amor das palavras,

tocavas-me e eu sentia, queria... dizer-te que sou apenas uma mulher em fúria, uma mulher como os as mãos das amoreiras em flor... à tua espera.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Março de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:33

23
Nov 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Começávamos a alimentar, primeiro os porcos e as galinhas, depois eles, e nós, quase sempre, os últimos da ninhada, nunca chegava, parecia-nos pouco, ou nada, sentávamos-nos sobre o tanque do terreiro e olhávamos o silêncio repatriado das papoilas navegantes das caravelas em bolor, sentíamos a ondulação da tristeza a entranhar-se-nos como facas de um velho faquir no tronco da velha árvore do recreio,

Recordas-te ainda dos arvoredos infelizes que dormiam em nossa casa?

O velho faquir tinha uma mulher que costumava aparecer junto a nós, sempre de branco, talvez porque ela apenas vivia de noite, porque ela era filha da noite, poderia eu perguntar-me se ela era a minha mãe, pois eu

Adoro viver de noite, queria ser a noite sem interrupções, lanternas mágicas ou... cortinados com estampados de verniz e cansados nos arames verticais das ruas entupidas de lixo, mendigos, nós à procura de outros mendigos

O Velho?

As facas gemiam quando entravam na fina casca da madeira e não sabíamos que o velho faquir usava uma máscara de vidro para que ninguém o reconhecesse... ao que parece, ele

Eu sou o filho da mãe noite, eu sou a faca que rompe a madrugada, eu sou a roseira que quando chora

Dela brotam as pequenas gotículas de sangue que a saudade esconde na sombra das mangueiras dos quintais longínquos das esplanadas viradas para o mar, o filho da noite, eu, eu não sabia que existiam eléctricos, não sabia o significado de eléctrico... e dizia ao meu pai que o autocarro da carreira se apelidava de

Machimbombo,

Eu sou o filho da mãe noite, eu sou a faca que rompe a madrugada, eu sou a roseira que quando chora, ouvem-se-lhe os picos em aço inoxidável infestarem a velha árvore do recreio, rompíamos as calças, e usávamos joelheiras em napa para disfarçarmos os tentáculos e húmidos buracos da Primavera,

(começávamos a alimentar, primeiro os porcos e as galinhas, depois eles, e nós, quase sempre, os últimos da ninhada, nunca chegava, parecia-nos pouco, ou nada, sentávamos-nos sobre o tanque do terreiro e olhávamos o silêncio repatriado das papoilas navegantes das caravelas em bolor, sentíamos a ondulação da tristeza a entranhar-se-nos como facas de um velho faquir no tronco da velha árvore do recreio, e não sabíamos que havia dentro de nós uma fina tábua, quase invisível, recheada de prego, e durante a noite, o velho faquir...)

Adormecíamos acreditando que tínhamos o estômago cheiro, estávamos fartos, tão fartos que até inventamos uma sanzala em papel só nossa, a nossa sanzala de papel com pequenos charcos para durante a noite

Chapinávamos nos charcos da sanzala de papel inventada por eles e acreditávamos que éramos felizes assim,

Assim,

Como?

O machimbombo,

A chuinga estremecia-me a dentadura de marfim que tinha partido do jacaré em pau-preto, havia uma imagem que nunca esquecemos, os barcos zangados rompendo pela cidade como animais ferozes e envenenados pelas castanhas ondas que o abismo desenhava em nós, e tu, e eu,

Dormíamos,

Sou teu filho, tu, a noite que me acolhe, alimenta, afaga o cabelo,

Branco?

Não negro,

As roseiras?

Não às bolinhas,

Esqueci-me da cor do meu cabelo, esqueci-me que a minha mãe dorme enquanto eu, eu sonho, e invento palavras para te recordar dentro de uma lápide sem nome, idade, como o poema escrito e deixado sobre a mesa... depois de fazermos amor... voavam os campos de centeio que zumbiam em Carvalhais, olhávamos as espigas do doirado milho...

E não sabíamos que Machimbombo era autocarro da carreira...

 

 

(não revisto – ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 23 de Novembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:36

21
Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Qualquer coisa estranha

na flor que brinca em tua mão de porcelana

qualquer coisa vã

ínfima

que esconde o teu olhar,

 

Qualquer coisa geometricamente sombra nos teus lábios

estranha

castanha

que de nuvem em nuvem

caminha e sonha e sonha e caminha,

 

E morre estranhamente como um pássaro de asas em papel

qualquer coisa estranha na tua mão branca

silenciosamente só

tristemente sentada numa cadeira sem coração...

que vive em ti e de ti se alimenta.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 09:44

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO