Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Amar sem vento

Francisco Luís Fontinha 31 Mar 18

Amar sem vento, enquanto a Lua adormece o corpo cansado,

A viagem entre parêntesis, distante da sombreada escuridão,

O passo apressado,

Ofegante,

Que caminha na tua mão.

 

Amar sem vento,

Saltar as amarras do sofrimento,

Há gente, com lamento,

Enquanto os ossos fornecem o alimento,

 

A Paz sagrada, imune predicado,

Uns shots no mercado,

Um poema poeirento…

Que poisa no livro sangrento.

 

Amar.

 

Amar sem vento,

Correr as avenidas da tempestade,

Amar,

Amar-te sabendo que a saudade,

Vira gente,

Como o mar,

Ou um barco afundado.

 

Eu sento.

 

Eu sento no amar sem vento…

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 31 de Março de 2018

As sanzalas de vidro

Francisco Luís Fontinha 30 Mar 18

As sanzalas de vidro,

O silêncio suspenso nas sanzalas de vidro quando a manhã se suicida contra os rochedos do medo,

Os musseques que brotam sangue, os musseques que dormem na tua mão, meu amor,

São palavras escritas no vento,

Na despedida do sofrimento.

As maçãs da madrugada sobre as pálpebras do cansaço, digo-o enquanto habita no teu corpo uma serpente de aço,

As ratazanas que brincam com os meninos nas sanzalas de vidro,

O pequeno-almoço penhorado pelas Finanças, e lá fora a tua sombra encurralada nos livros,

Assim, como quem esquece a vida,

Ou se esquece da vida, como tu, meu amor, como tu…

Silabas tenho-as quantas quero, guardadas nos meus braços, no longínquo ângulo recto, o tecto da noite empobrecido, como eu, como tu.

As sanzalas de vidro, meu amor, os pequenos trapos das bonecas de areia que o mar alimenta, e há sempre um barco entre nós.

E há sempre um poema em nós, meu amor,

As pedras,

As pedras assassinas descendo a montanha,

O sigilo bancário nas barbas das Finanças, o horror, o terror, a torrente aventura de partir para o teu colo, meu amor, telegrama insignificante; STOP. MORREU. STOP.

E que sim, que fugia das cavernas que habitavam as sanzalas de vidro,

A chuva que não cai, a chuva que cai, o trémulo beijo no leite da manhã,

A literatura, tua, na minha cama,

Adormecida, cansada,

E desperto ao som de um velho relógio com engrenagens MADE in CHINA…

STOP.

MORTE. STOP.

Nas sanzalas de vidro.

Há caracóis, cerveja choca, poesia embriagada…

Dia,

A noite,

Na despedida da MORTE. STOP.

Encerro a luz, ficam tristes as sanzalas de vidro,

E mesmo assim, desenho-as nos teus lábios.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 30 de Março de 2018

O silêncio amanhecer

Francisco Luís Fontinha 25 Mar 18

Podia ser o mar,

Suspenso no teu corpo amanhecer,

Na palavra escrita, o silêncio amar,

Que grita,

Após a partida da alvorada.

O poeta embrulhado no escrever,

Como uma amante,

Que das lágrimas de chorar…

Não consegue ver,

Nem sente,

O silêncio escurecer.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 25 de Março de 2018

Sonâmbulo das cavernas

Francisco Luís Fontinha 24 Mar 18

Esta melancolia, aprisionada na tua mão, meu amor,

Esta triste despedida,

Na calçada sofrida,

Quando o beijo esvoaça na fogueira prometida.

O sangue frio do massacre, lá longe, na sanzala, os perdidos cabelos de Primavera,

Quando a fala,

Quando o silêncio do teu sorriso,

Perde o juízo,

Sonâmbulo das cavernas, no limiar da pobreza,

A bela,

A bala na cabeça de um canhão,

E tu, meu amor,

E tu meu amor procurando a sombra do coração,

Desisto.

Insisto,

Desisto da tua fotografia esbranquiçada,

Na sala malvada,

Insisto no pôr-do-sol ao final da tarde,

Saio de casa,

Procuro-te no arrozal,

E finjo ser um poeta, e finjo ser a fogueira que arde…

Sobre ti, meu amor, sobre ti.

O miúdo com a fralda de fora,

Da praia regressa o secreto amor,

Aqui mora,

Habita a mais bela flor,

Que o meu quintal acolhe,

A sede,

O molhe,

As rochas envenenadas pela madrugada,

Sofre, descansa, abraço-te minha amada,

Que toda a vida teve.

Eu vi, quando acordei,

A esplanada do amanhecer,

Sabes, meu amor,

Chorei,

Cansei da vida sem prazer,

Respirar,

E morrer.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 24 de Março de 2018

Montanha em fuga

Francisco Luís Fontinha 17 Mar 18

Este Sábado bafiento,

Perdido no ciúme da madrugada, presente no ausente,

Como uma ponte em cimento,

Latente,

O cheiro do teu cabelo numa esplanada de Verão,

O cigarro aceso, que tão mal faz ao coração,

Dizem eles, os médicos,

Mas eu não acredito,

Sendo iletrado,

Sou também um homem apaixonado,

Terno, lento,

Lanço este grito,

Quando o rio adormece na tua mão,

Tão lindas, as flores, meu amor,

Quando o poeta escreve a canção,

O dia, término cansaço da rua deserta,

Porta encerrada, porta aberta,

O carteiro traz-me a carta, a tua carta lacrada,

No marfim encarcerada,

Os beijos, as lanternas dos beijos emancipados,

Quando os corpos lançados,

Ao mar,

Um sopro de vento entra pela janela,

Encerrada,

Aberta,

Sem ninguém, ausente serpente do amar…

Tão bela,

E de lábios a palpitar,

Oiço o mar no teu corpo de limão,

Esqueleto camuflado pelas lâmpadas do anoitecer,

Sem querer,

Vou ao teu encontro, abraço-te e recordo a montanha,

Uma criança em fuga,

Que ninguém a apanha,

É isto o meu viver?

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 17 de Março de 2018

O regresso

Francisco Luís Fontinha 11 Fev 18

Que seja hoje o teu último dia na minha mão.

Este meu corpo cansado das Avenidas embarcadas,

Quando junto ao rio uma nuvem de noite me absorve, alimenta e mata.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último momento,                                        

Nas palavras assassinadas da madrugada,

O cão,

O cão que vive nesta casa e se alicerça aos corredores a preto-e-branco,

Sem nada,

Sema nada.

 

O regresso.

 

Que seja hoje o teu último suspiro,

Nos meus lábios embainhados de serpentes…

 

Não mentes,

 

Do regresso,

 

Onde tudo sentes.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11 de Fevereiro de 2018

A noite dos sentidos

Francisco Luís Fontinha 10 Fev 18

As palavras sofridas da paixão,

As estrela perdidas,

No céu da solidão,

 

Cansadas minhas mãos de sangue,

Caminhando no teu corpo de pele poema…

 

A cama,

Dispersa na montanha,

Os dias não passados,

Quando no teu olhar acorda a noite dos sentidos,

Perdidos,

Todos os meus livros,

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 10 de Fevereiro de 2018

Cansada palavra

Francisco Luís Fontinha 4 Fev 18

Semeei o teu corpo numa jangada de vidro,

Vi partir o teu corpo em direcção ao mar,

Levavas os livros, levavas as memórias das noites perdidas,

E os sonhos vividos,

Semeei o teu corpo pensando que um dia adormecerias em mim…

E da tua partida,

Pela madrugada,

Algumas nuvens brincando na alvorada,

Palavras imensas, palavras dispersas em ti como um grito de alegria,

Hoje pertences às sombras do infinito,

Argamassadas no sombreado jardim de pedra,

E, no entanto, meia-hora depois, sentia o teu rosto na minha mão.

Ninguém apareceu à minha partida, fui só, apenas eu…

Como nas noites junto ao rio,

Perdidamente angustiado na solidão dos dias,

Escrevia no chão a revolta da doença,

Lançava lágrimas na escuridão,

Pobre, sem-abrigo, neste corredor de lume,

A lareira também ela, doente, infeliz e triste,

A cinza, o silêncio das fotografias, que poisavam no teu olhar.

As mãos trémulas, as mãos cansadas como pedras…

Fundeadas nos teus cabelos.

A noite, meu amor, a noite mergulhada na madrugada,

O metro entre curvas e pingos de luz, deixando a terra, caminhando para o horário nocturno das sanzalas de ninguém,

Em foco, as luzes que te incendeiam os lábios, em cada beijo,

Uma cansada palavra.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 4 de Fevereiro de 2018

A dança da chuva

Francisco Luís Fontinha 28 Jan 18

O resto a gente dá um jeito.

As cabras no monte,

O meu corpo submerso nas pedras coloridas da manhã,

Os sonhos, as palavras que dançam com os sonhos, na esperança de um novo amanhecer,

Amanhã a gente dá um jeito,

Qualquer coisa serve, apenas uma sílaba de luz,

As mãos trémulas quando o teu sorriso acorda,

Após quatro horas de sofrimento,

Tens o olhar límpido, clareado como a areia do Mussulo,

Os barcos dançando no teu finíssimo cabelo de espuma,

E zás, cais sobre mim.

O mar que se afunda em ti, mergulha nos teus ossos, e da noite regressa um lápis desajeitado, como eu, descubro o sonho, finjo arder no sofrimento, mas em ti, apenas em ti oiço o amanhecer,

A dança da chuva, as flores donzelas sobre o teu peito, e uma vela acesa pela tua alma…

Há coisas estranhas em ti,

Camélias,

Cravos,

Rosas…

E as velhas salinas brincam nos teus olhos.

Amanhã.

Quando se levantar em ti a alvorada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 28 de Janeiro de 2018

Jangada de nylon

Francisco Luís Fontinha 21 Jan 18

Os poemas morrem na tristeza do teu olhar.

Como sofre o dia nos teus ombros,

Enquanto lá fora, ainda noite, uma jangada de nylon gagueja em frente ao mar,

As lágrimas no teu rosto,

O silêncio das tuas mãos quando afagam o meu rosto…

Distante maré no meu corpo abalroado nas insignificantes janelas de vidro,

Os tentáculos de seda, todas as coisas impossíveis, nas tuas mãos,

Quando regressa a madrugada.

Choras.

Escreves nos meus braços as palavras invisíveis da tempestade,

Os barcos ancorados aos teus dedos…

E sofres.

E morres de mim.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 21 de Janeiro de 2018

Sobre o autor

foto do autor

Feedback