Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Dia de voar sobre as árvores..., estava escrito no teu braço esquerdo, li, fiquei indiferente, regressei e percebi que sim, que era Domingo, e que aos Domingos voávamos sobre as árvores,

E que dos teus olhos Margarida brincavam as pálpebras encarnadas do desejo, cerrei os meus olhos, e vi, começaste a levitar em pedacinhos milímetros de cada vez, e quando percebi, pouco importava já, tinhas-te diluído com a neblina acabada de nascer,

Dia de voar?

E vi, e aos poucos entraste nos meus olhos, despias-te, e vagueavas como uma andorinha de íris em íris..., até que acordei, abri os olhos, e tu, não estavas, e tu, não existias em mim..., dobravas-te sobre a neblina, o sombreado teu corpo mergulha no espelho do calendário suspenso na parede da cozinha, cheiravas a naftalina, a roupa despida numa tarde de Domingo, dia, de voar,

voar?

Sim, minha querida, sim, voar sobre a planície dos arbustos domésticos, voar sobre as árvores, porque

Hoje é Domingo,

Porque uma criança em birra não come a sopa, porque um palhaço no circo, triste, deixa de fazer rir, porque...

Hoje

Domingo,

Porque vejo nos teus olhos o desejo de seres desejada, porque invento histórias quando as nuvens descem sobre nós, eu, e tu, e lá fora a mesma criança que muito há pouco fez uma enorme birra devido a não querer,

Não quero, não gosto de sopa,

Tu, tu esqueceste-te de mim, tu cerraste os lábios e proibiste-me os beijos, tu, tu cerraste os olhos e proibiste-me os olhares Primaveris de quando passeavas nos jardins do Palácio, Belém fervilhava, fervilha, como tu, quando te despes, como tu, quando te desembaraças de todas as tuas roupas e me dás as mãos e

Domingo,

Dia de voar sobre as árvores..., estava escrito no teu braço esquerdo, li, fiquei indiferente, regressei e percebi que sim, que era Domingo, e que aos Domingos voávamos sobre as árvores, e que hoje vamos começar a voar sobre as árvores, sem roupa, apenas tu, apenas eu, e um dia, não Domingo, um outro dia

Vais, sim, acredito, um outro dia vais tocar para mim, só para mim,

Um outro dia, os sons melódicos do teu piano e as gotículas de suor da tua pele poética, não Domingo, não, um outro dia, tu, tu vais tocar só para mim, e eu, e eu poisarei a minha cabeça sobre o teu ombro, inventarei uma tempestade para ficares dentro da sala, eu, tu e o teu piano, Domingo, não

Domingo não,

Talvez um dia, talvez uma bela manhã, talvez numa feliz noite de inverno, livros, o piano, tu e a lareira..., mas

Domingo?

Mas...,

E vi, e aos poucos entraste nos meus olhos, despias-te, e vagueavas como uma andorinha de íris em íris..., até que acordei, abri os olhos, e tu, tu não estavas, e tu, não existias em mim..., dobravas-te sobre a neblina, enrolavas-te como uma rosa bravia, ias à janela e ficavas a olhar as notas musicais dos teus dedos a despedirem-se do Domingo...

Não, Domingo, não, não Domingo,

E sorrias no prazer dos pássaros, antes, muito antes do teu corpo silenciar-se na nocturna insónia em pequenos desejos masturbais...

Desejar-te desejo, como às palavras ainda não escritas, soltas e vagabundas...

Domingo?

Não, não Domingo.

 

(não revisto – ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:30

14
Jul 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Percebíamos que a nossa vida era um imaginário baloiço

sobre o mar de esplanadas com lábios de silêncio mergulhados em nadas...

percebíamos que da janela víamos os cadáveres esqueléticos das murchas flores de sémen

e havia no pátio restas lágrimas de luz com sabor a saliva ensanguentada

percebíamos que o amor éramos nós disfarçados de velhos esqueletos

com cristais silábicos pigmentados nas loucas chaminés ao longe olhando-nos

sentados sobre a cidade dos sonhos... percebíamos que o desejo

aparecia nas clarabóias dos sótãos onde se escondiam os amantes do Planeta vermelho,

 

Percebíamos que éramos nós quando o guarda-fato ressonava nocturnamente

como abelhas dentro de uma colmeia vagueando sobre os sorrisos da perdiz desnorteada

perdida na montanha descia-se até ao rio

e um afogado homem vestido de medo deitava a cabeça no teu colo de xisto

ouvíamos um leve suspiro

um finíssimo gemido com sabor a Primavera

percebíamos que éramos nós

porque quando nos tocávamos

porque quando nos beijávamos

o odor das estrelas estrábicas caíam sobre as searas verdejantes dos olhos de prata

carícias minguadas sobre os teus cabelos de maré criança

menina dos Domingos que o calendário absorve como insónias de papel,

 

E agora, meu amor por descobrir?

que farei quando abrir a porta da noite

entrar em ti sabendo que não entendes a minha presença e a minha sombra

correm em cigarros invisíveis os sofrimentos das árvores dos pássaros negros...

percebíamos que hoje éramos duas vozes que o rio há muito engoliu

e sobrevivemos a olhar os baloiços dos versos saltitando no quintal dos livros apaixonados

como nós

percebíamos... meu amor por descobrir... que o Planeta Vermelho éramos nós.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:32

16
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Se dançávamos? Tínhamos acabado de regressar da longínqua sanzala de vidro com cubatas revestidas em saudade e pedacinhos de medo, aquém e além, uma voz fria gritava-nos, e arremessava-nos pedras invisíveis, e eu criança, envergonhado porque não entendia os orgasmos em sombras de café que os adultos deixavam esquecidos nos bancos do jardim, uma penumbra manhã perdi o esqueleto de mim, e de dentro do guarda-fato, divertia-me a pincelar tons mastigáveis na solidão de uma casa pequeníssima, com cinco janelas, e uma chaminé, e durante a noite ouvíamos as lágrimas sorrido parede abaixo... até se derramarem no soalho embrulhado em humidade e caruncho, que em alturas de desassossego, ouvem-se, ouvem-se em pequenas festas como fazíamos quando vivíamos na cidade dos desejos e dos sonhos e dos pequenos mares que entravam em nós, e nunca, nunca mais nos abandonavam,

Voltar?

Se dançávamos, não percebo agora o significado da desordem...

Voltar, em vez de descer, subir, sentar-me sobre o telhado, e ouvir a conversa dos pássaros nas tertúlias tardes dentro das mangueiras, debaixo delas, duas crianças experimentavam a força utilizando um cordel fino, tão fino como o cabelo castanho do velho Domingos, Voltar? Não percebo a desordem dos meus braços, não percebo a rouquidão da minha voz, e... principalmente, tu existes dentro de uma lata de conserva, vestida com um lindo vestido em papel verniz, colorido, e quando chove, ouvem-se-te em pequenas chamas de luz os batimentos de um coração apaixonado, Voltar... nunca, jamais, para quê e porquê?

Se dançávamos? Às vezes...

Voltar e não encontrar as ruas onde as tínhamos deixado, durante a noite, homens, mulheres e algumas crianças, utilizando a única força disponível, mudaram de local todas as ruas da cidade, o mar, hoje, já não está lá, lá, hoje, está um campo de milho que perdemos no horizonte enquanto observamos, e onde havia, antigamente, campos de milho, está lá, hoje, o mar, só, sem ninguém a chapinhar na água salgada e na areia branca, e ninguém nos avisou, e dizem-nos que até a nossa casa mudou de sítio, deslocou-se avenida abaixo, e foi literalmente engolida pela fome, e pelo ódio...

Porquê regressar! Se dançávamos? Olho-me no espelho e vejo o rosto, o meu rosto de menina, de mulher apaixonada, desiludida com as manhãs quando desapareces de mim e ficas só entre papeis velhos e outras fotografias, tão velhas, tão... imagens sem significado, oiço-me de encontro ao espelho, reflecti-me

Evaporaste-te através dos orifícios que sobejavam na cubata, espetávamos pregos sobre um velha carica, servia para isolarmos o mesmo orifício da humidade e dos espíritos malignos dos retratos semeados sobre a mesa-de-cabeceira, raramente conseguias segurar-te e acabavas por tombar sobre o passeio em cimento, dos joelhos, pequenos riscos, cromados gelatinosos aos morangos de um dos canteiros ainda não destruído pelo canino REX,

E porquê se me reflecti num espelho com coração de xisto, dele conseguia-se ver o rio e os socalcos encurvados por carris que nos transportaram até hoje, aqui, à sombra de uma velha cubata, esquecidos na sanzala trémula, vagueando como imagens no lençol nocturno onde brincávamos antes de nos deitarmos, era noite, e o teu rosto imagina-se liberto das minhas mãos, e o teu rosto... também ele, como as ruas e as casas, mudaram-nos de sitio, e hoje habita numa outra cubata, numa outra sanzala... num outro País de sonhos desencantados, falsos sonhos, de um falso espelho; tu

Se dançávamos?

Todas as noites, tu é que não te recordas de mim, da música, e das árvores e dos candeeiros suspensos no tecto do céu...

Claro, claro que dançávamos...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:25

15
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Um, depois dizes-me que adormeço enquanto ficas sentada a olhar-me, porque sabes que eu detesto que me olhem, porque eu detesto que se comportem comigo como se eu fosse uma estátua sobreposta entre a luz e multidão, entre homens e mulheres, em delírio, revoltos os cabelos semeados na planície obscura da sangrenta sinfonia em palavras ainda não escritas,

Gostas de mim?

Talvez, e um dia acordamos, e a noite deixa de padecer aos movimentos corporais das amendoeiras em flor, a cerejeira do quintal sem os significativos sinais vitais, deixamos de a ouvir durante a noite, e de queixume em queixume, optou pelo silêncio,

Não sei!

Gostas? Gostas... vá lá, diz-me?

Não sei o que são janelas quando aprendi em miúdo que das janelas só vinham bichos, ou serviam, nem sempre, para imaginarmos o mar pintado nos vidros, alguns deles, quebrados, outros, já tinham partido para longínquos lugares, apenas resistiram as escadas em granito, e todo o resto, morreu, a porte de entrada, sucumbiu numa noite de Inverno, cessou a respiração e daí em diante ficou entreaberta, nunca mais ficou de boa saúde e a fechadura em recusa pelas drageia receitadas pelo senhor Armindo, aos poucos... trocá-mo-la por um cordel que de baixo custo tinha tudo e de nada no servia gritarmos contra as paredes do compartimento dividido por meia dúzia de metros quadrados de chita, de uma lado ficava a sala de jantar, e do outro

Não sei...

E

Do outro

Gostas?

O meu quarto, com uma porta meio envidraçada, meio esburacada, com vista insuflável como os pneumáticos dos roncos automóveis quando regressava a gripe, quando eu ia à varanda, e nada, nem sombras rompiam pelas árvores que eu imaginava existirem, e que nunca passaram da minha imaginação, e do outro, do outro, um pequena torradeira servia-nos de aquecedor, e o Janeiro foi tão frio que quando acordei pela manhã, as escadas de granito eram lâminas de gelo, o o céu aprecia cinzento, e não nuvens hoje pela manhã, e aos poucos, descobri que até novas ordens estava acorrentado ficticiamente a uma mesa e a quatro cadeira, velhas, tão velhas que ouvíamos o caruncho mergulhar aos peixes do chafariz também ele, congelado, também ele, como eu, acorrentado, ficticiamente...

Não, não sei se gosto de persianas, também eu, ficticiamente existente, chorando, rindo, vomitando alimentos que não me recordo de os ter algum dia ingerido, tudo, e apenas, milagres da vida, da fé, e da alegria de viver numa casa acabada de morrer, e desde a morte da cerejeira, não sei

Talvez!

Penso que nunca mais comi cerejas, e hoje, sei que elas existem, porque oiço da tua bocas soníferos sons saboreando pratos vazios que imaginas estarem cobertos de coloridas encarnadas cerejas de papel, e sim, talvez não, sei lá..., os significativos sinais vitais, deixamos de a ouvir durante a noite, e de queixume em queixume, optou pelo silêncio, porque falar muito provoca hemorróides como depois viemos a confirmar, quando eles se levantaram da cadeira almofadada, com rodinhas, e meu Deus... o cheiro intenso a madeira de putrefacto cadáver de lata; e há pessoas com uma tal lata..., mas que lata, das grandes.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:22

19
Mar 13

A&M ART and Photos

As três árvores do sonho, morreram, deixaram sete sombras e duas teias de aranha, fumavas muito, repreendias-me sobre os malefícios do tabaco, e eu, prometia-te

Brevemente vou deixar,

Hoje, não fumo, e sinto-me envergonhado por nada ter para te prometer, não posso prometer-te o mar porque é impossível levar o mar até ti, não posso prometer-te flores, porque deixei de saber o que são flores, noites de geada, ou noite de lua cheia em plena Primavera, não posso, e não quero

Prometer-te o que não consigo dar-te,

Um rio, por exemplo, poderei eu um dia oferecer-te um rio só para ti, não, evidentemente que não, mas posso oferecer-te os cheiros que vivem no rio, ou

Um banco de jardim, onde te sentarás à minha espera, mesmo tu, sabendo, que nunca irei regressar, porque os mortos não regresso, e eu, lembras-te?

Morri quando caí na asneira de prometer-te o Céu com estrelas, com chuva, e ventos e tempestades, fiz-te promessas que nunca fui capaz de realizar, umas por falta de tempo, a melhor desculpa para todas as situações, outras

Por não ter dinheiro, emprego, vida estável, por preguiça

E deixei-te ficar sentada num banco de jardim, em ripas velhas, em busca das sombras, e duas teias de aranha, fumavas muito, repreendias-me sobre os malefícios do tabaco, e eu, prometia-te

Brevemente vou deixar,

E deixei que esperasses por mim quando devia ter-te dito para partires..., depois veio a bruma, a fina espuma, o silêncio, depois veio o caderno onde escrevíamos palavras, loucas, poucas às vezes, que iluminavam os teus olhos com uma luzinha em cada um, parecias um sol quando acabava de acordar, ainda na parte de esfregar as pálpebras, com os finos dedinhos que a lua emprestava, depois vinha o sono, o cair da tua cabeça sobre o meu ombro...

Brevemente vou deixar,

De sentar-me em bancos de jardim, principalmente aqueles em ripas de madeira, porque me fazem recordar os teus olhos, as flores, que confesso, não sei o que são, nunca soube, e prefiro não o saber, como tantas e tantas coisas que

Não sei

Não quero saber

Não me apetece,

Não sei, mas talvez um dia, quem sabe, me venha a sentar num banco de jardim com ripas de madeira, e talvez um dia, quem sabe, me ensinem o que são flores, noites estreladas, omeletes recheadas com pólen, talvez um dia, me ensinem, que o amor, às vezes, tal como o sono

Aparece sem darmos conta, outras, é difícil adormecer, mas o pior, é o silêncio quando nos sentamos num banco de jardim com ripas de madeira, espero-o, e ele não regressa, e eu, sentada, acreditando que tal como o sono

Ele vem, vai regressar a qualquer momento, acredito, e enquanto sentada, imagino-o a caminha em direcção a mim, vagarosamente, como sempre, debaixo do braço, um livro, nos lábios um cigarro, imagino-o, vejo-o, depois, sentar-se-á junto a mim, dar-me-á um beijo, e nervosamente me dirá

Desculpa, meu anjo, o transito estava infernal; Já leste o novo de José Saramago “A Estátua e a Pedra”? Trouxe-o para ti..., E penso sempre nele quando me sento num banco de jardim com ripas de madeira, e ele me diz

Meu anjo

Não sei, mas talvez um dia, quem sabe, me venha a sentar num banco de jardim com ripas de madeira, e talvez um dia, quem sabe, me ensinem o que são flores, noites estreladas, omeletes recheadas com pólen, talvez um dia, me ensinem, que o amor, às vezes, tal como o sono, e talvez um dia, meu anjo, talvez um dia te apaixones por mim, como a Primavera se apaixona pelas flores, que confesso-te

Não sei e nunca soube o que são,

O que são flores, meu anjo?

 

(ficção não revisto)

Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:54

24
Fev 13

Desenho letras no muro das tuas coxas onduladas debaixo das gotas nuas de água em silêncio, tenho medo, pergunto-me

E depois? Quando o muro se transformar em jardim com flores de seda e coloridas abelhas cantando, e depois?

Poisadas nos mamilos da sede, sem que eu perceba onde fica o bosque, e a canção que é filha do bosque, e os pássaros, e os restantes muros

Desenho letras nas tuas coxas, e tenho o medo, e a vaidade, e tenho o sentido que não sinto, e depois, sento-me sobre o papel amarrotado das tardes violentas que os segredos do Inverno inventam nas tuas pequenas mãos, tenho pena

Dos teus ínfimos dedos, esbeltos, finos, e transparentes,

Como a água dos rios sem nome, sem destino, livremente correndo até ao mar, correndo, correndo, regressando os pinheiros mansos das eternas manhãs sem vidros nas janelas que têm visão nocturna para as rochas tuas coxas, aquelas

Onde desenhas letras? Exactamente, meu amor, essas mesmo, um muro de carne e sedução, curvadas à direita, e à esquerda, embebidas às vezes, ou sempre, no desejo infinito coração com sílabas de pétalas agrestes, como os livros tristes e cansados dos homens sem nome, sem vida, sem viabilidade económica, sós, e abandonadas

Por quem?

Pelos caminhos onde deambulam peugadas, e algumas delas, poucas, que se escondem nas pedras pequeninas dos teus dóceis dedos de fio iluminado pelos lábios da lua, escrevo as letras que desenho nas tuas coxas, preocupo-me, muito, e pergunto-me

E quando terminarem as tuas coxas? E se eu ficar sem o teu corpo, sem a tua sombra, e se eu perder os teus olhos, a tua boca, e se eu

Te perder numa tempestade de areia?

Gostava das tuas mãos quando me desenhavam letras nas minhas coxas, recordas-me as árvores da nossa infância, a minha, a tua, separadas por um muro alto e fino de cimento armado, eu atirava pedras para o teu território, tu, mais amoroso, atiravas-me rosas em papel, uma tarde, furiosa, eu, parti-te a cabeça com uma pedra, fiquei triste naquele momento, depois, durante a noite, sorri, sorri, sorri até que percebi o que era o amor, a paixão e as pedras não serviam apenas para partir cabeças de meninos mimados, filhos únicos, as pedras também serviam para eu perceber o que era a paixão

Por quem?

Pelos caminhos onde deambulam peugadas,

E,

Invejava a pontaria da avó Silvina e do tio Serafim, lançavam pedras e caiam estrelas do céu, ao revés, eu, lançava uma pedra contra uma árvore (alguém durante a noite escreveu EU MAIS TU – AGOSTO DE 1989) onde brincava um pássaro, e partia o vidro da janela da escola, nunca, nunca tive jeito para o lançamento de pedras e para jogar à bola, e meu Deus, Meu Deus... quantos vidros estilhaçados, quantas espigas de milho esmigalhadas, mas estrelas, não estrelas, nunca tive uma estrela, e por quem?

(E quando terminarem as tuas coxas? E se eu ficar sem o teu corpo, sem a tua sombra, e se eu perder os teus olhos, a tua boca, e se eu

Te perder numa tempestade de areia?),

E invejava as letras desenhadas nas coxas que fugiam como os barcos, leves, com o vento, escorregadios como lânguidos gemidos de orvalho, sentíamos as luzes dos livros embrulhados nas tristes maçãs da macieira do quintal, e subíamos pelas escadas da insónia até chegarmos ao varandim com janelas de sangue onde às vezes dormiam os vampiros, os verdadeiros, aqueles que nos chupavam o sangue antes de adormecermos, os mesmos, aqueles que nos roubaram os sonhos, e sempre belas as fotografias a preto e branco, e um dia, desceremos das nuvens, vamos calçar os sapatos com biqueira pontiaguda e com salto alto que deixamos junto ao Tejo, e talvez, e talvez sobre uma mesa estacionada num dos bares de Cais do Sodré, EU MAIS TU – AGOSTO DE 1989, desça de uma árvore de casca grossa, difícil de decifrar, como as equações com integrais que resolvíamos sentados num banco de jardim, debaixo de uma...

E sobravam-nos, não poderei dizer sempre, mas quase sempre,

Letras do muro das tuas coxas onduladas debaixo das gotas nuas de água em silêncio, tinha medo, perguntava-me

E depois? Quando o muro se transformar em jardim com flores de seda e coloridas abelhas cantando, e depois?

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:42

19
Fev 13

Pilotavas corações nos jardins suspensos da Babilónia, às Segundas, Quartas e Sextas voavas sobre as searas de sorriso que submergiam nos mares distantes das nuvens de gelo que desajeitadamente acordavam dos pulmões de porcelana dos homens prateados com cintos de Cobre, às Terças e Quintas dançavas sobre as mesas do Karamelo Doirado Bar, e aos Sábados e Domingos, dormias como os pássaros nos ramos de papel das árvores de prata, não respiravas, não sorrias, apetecia-te ficar

Triste,

Não havia em ti uma simples corrente de ar que se erguesse dos teus olhos, não havia em ti um aparo à espera de uma caneta recheada com tinta e uma maço de papel mata-borrão, E triste, dizias-me tu quando eu acordava do meu sono longínquo que me levava a atravessar as loucas montanhas do sono,

Triste não haver em nós uma corda de luz enrolada numa janela de mar com periscópio para observação da cidade dos quatro tristes cadáveres de areia, insónia, insónia com poucas palavras entre paredes, pilares e vigas de aço, triste não haver em nós

Eu, tu e ele, Tristes

Um sofá com pele cuticular espera-nos para se alimentar dos nossos ossos, o teu corpo e o meu corpo, esqueléticos, são absorvidos pelas mandíbulas das molas dos assentos com almofadas de orvalho, o lago onde te sentavas a olhar-me enquanto eu pilotava os corações dos jardins suspensos da Babilónia desapareceu quando decidiu a noite esconder-se dentro de uma larva com olhos mórbidos, também eles

Tristes, como nós, Eu, Tu e Ele, e todas as árvores de prata,

Também eles, todos, os habitantes dos jardins suspensos da Babilónia na expectativa de uma nova revolução entre palavras e canções, pedaços de cartão alimentavam os cobertores daqueles que sem casa, iam vivendo nas ruas com edifícios de sofrimento, e quando lhes perguntávamos se eram felizes

Que sim, muito, como nós, Eu, Tu e Ele,

Como nós ao acordarmos e as lâmpadas dos candeeiros poisados sobre as mesas-de-cabeceira, todas, fundidas, sem seguro e inspecção periódica, às vezes, o corredor, é literalmente abraçado a uma coima simbólica por parte de um sombra com braços de cinza, o excesso de velocidade, fatal, contra a porta da casa de banho, de um pequeníssimo postigo de morte, três costelas e um pulmão queixam-se do fumo das plantas que fazem sorrir os homens que pilotam corações de chocolate que vivem nos jardins suspensos da Babilónia, felizes

(Um sofá com pele cuticular espera-nos para se alimentar dos nossos ossos, o teu corpo e o meu corpo, esqueléticos, são absorvidos pelas mandíbulas das molas dos assentos com almofadas de orvalho, o lago onde te sentavas a olhar-me enquanto eu pilotava os corações dos jardins suspensos da Babilónia desapareceu quando decidiu a noite esconder-se dentro de uma larva com olhos mórbidos, também eles), abrem-se as carapaças dos submarinos encalhados nos bancos de areia, à escotilha, um homem e uma mulher e uma criança (não tivemos tempo de determinar o respectivo sexo e a idade), provavelmente do sexo masculino com cerca de seis anos, cor da pele (não determinada), olhos (com a distância não nos foi possível verificar a cor dos olhos), e sem qualquer dúvida trazia ao nível dos ombros um par de asas azul marinho, como os sapatos de verniz que o tio Francisco lhe tinha oferecido, eles, os três orgasmos de sémen perdidos na ocidental praia das línguas de serrim, Tristes, todas, e todos

Esperavam,

Acordavam,

Inseminavam,

Um sofá com pele cuticular sobre os joelhos da cansada nuvem em descidas bruscas dos céus pintados de fresco nos bancos de madeira debaixo dos plátanos-poemas que escrevíamos antes do jantar, triste não haver em nós uma corda de luz enrolada numa janela de mar com periscópio para observação da cidade dos quatro tristes cadáveres de areia, insónia, insónia com poucas palavras entre paredes, pilares e vigas de aço, triste não haver em nós

Eu, tu e ele, Tristes

O cio mergulhado no rio Xisto, barcos de medo pendurados nas janelas viradas para a seara de gelo, nuvens poeirentas nas abraçadeiras das pernas dos pássaros e flores livres entre os corações avermelhados que o saudoso amor engolia nas profundas goelas de saliva que a paixão deixa ficar nas mãos dos pequenos livros de poesia, ontem

Eu, tu e ele, Tristes

Numa cidade de madeira, e

E

E às Segundas, Quartas e Sextas voavas sobre as searas de sorriso que submergiam nos mares distantes das nuvens de gelo que desajeitadamente acordavam dos pulmões de porcelana dos homens prateados com cintos de Cobre, às Terças e Quintas dançavas sobre as mesas do Karamelo Doirado Bar, e aos Sábados e Domingos, dormias como os pássaros nos ramos de papel das árvores de prata, não respiravas, não sorrias, apetecia-te ficar

Triste.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:20

07
Fev 13

As cerejas pareciam loucas de ciúme enquanto ele saboreava um cacho de uvas cor de sílabas mentirosas e sorrisos de poeira, e conforme o retirou da nobre videira assim foi saboreando cada bago, bolinhas de sumo com sabor inconfundível, bolinhas imaginárias com olhos de prata apontando os desfiladeiros que o levavam até ao rio, curvas de carris caminhavam como se fossem grãos de areia a descer a montanha, bem lá no altíssimo altar da natureza, jazia um abrunheiro com bronquite e ao lado, na cama número treze, um pequeno pessegueiro a queixar-se de dores intensas na coluna, o médico, um castanheiro de meia-idade tinha-lhe diagnosticado reumatismo agudo, devido à doença da Tinta, em frente a ele, na cama número nove dormia o limoeiro, que devido aos sedativos que sobejavam dos pingos das bolhas castanhas que uma fina prata de alumínio derramava, pedrado como os seixos brancos dos mares clandestinos, há dois dias que tinha levantado voo e apenas víamos o corpo esquelético sobre os cobertores de aço onde se deitava, o resto

Ninguém sabia onde encontrar,

Tinham-se esquecido de encerrar as janelas, estava vento, tínhamos medo que a sua força levasse os frágeis ossos do adormecido limoeiro, uma roseira, experiente catalogadora de ossos, numerou-os, e um a um, todos, como se fossem pedras de granito quando um ricaço qualquer as resolve transladar para outro local, a bananeira, desenhadora e escritora, fez o respectivo esboço, e assim, tínhamos a garantia que tudo o que acontecesse ao coitado do limoeiro, sempre o podíamos reconstruir, e levá-lo para outro local, se necessário,

Tenho quarenta e sete anos, sou um plátano e perdi vinte e cinco quilogramas, e tudo por apenas três drageias por semana, agora sinto-me..., sinto-me como se tivesse vinte anos, o tronco está mais delgado, e os meus ramos, encolheram, e agora até já consigo sentar-me num dos bancos de madeira que vivem no jardim ou baixar-me e colocar a caixa vazia de cigarros na papeleira, e tudo quase sem esforço, e tudo por pouco dinheiro,

E ninguém sabia onde encontrá-lo, na aldeia até já tinham pedido ao senhor Prior para rezar uma missa pela sua pecadora alma, e em uníssono diziam

Coitado do limoeiro, no fundo era um desgraçado, e tirando o vício, uma jóia, uma jóia de árvore

O senhor Prior rezou a missa pelo seu desaparecimento, ao centro da Igreja tinham colocado a fotografia a preto e branco de quando ele ainda era uma árvore robusta, forte, e nem a mais agreste das tempestades a conseguiam derrubar, mas agora, agora vive na agonia de partir sem que venham a saber a verdadeira história dele, e talvez por essa razão, hoje relate a vida e os saborosos limões que este meu amigo limoeiro deu, vendeu, e se não fosse o maldito vento

Ninguém sabia onde o encontrar, e o maldito vento conseguia arrastar as rochas do fundo do mar até ao santuário, nas algibeiras viemos a descobri pedaços de corda de nylon, não percebíamos qual a sua utilidade, mas hoje sabemos que foi com essas mesmas cordas que o triste limoeiro se suicidou, quando acordou da sonolenta paixão pelas bolhas castanhas, amarrou-se com uma das pontas da corda de nylon e a outra ponta prendeu-a a um dos pilares da enfermaria, depois

Depois coitado, ninguém sabia onde o encontrar,

E depois, quando já a noite poisava sobre o pavimento irregular da enfermaria-montanha, ergueu-se, cruzou os braços e voou em direcção ao abismo, e gritava enquanto sufocava

Detesto mentiras, Detesto mentiras, Detesto...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:21

27
Jan 13

De esqueletos mórbidos estou eu farto, dizia-se doutorado pelos bares nocturnos da cidade plantada na copa de uma árvore a que todos chamávamos

Inocência dos sonhos,

Pouco tempo depois, via-o passear-se junto às acácias salgados do primo Augusto, as imagens floriam nas paredes viscosas das noites sem estrelas, e de madrugada, quando todos os buracos encerravam, fazia-se arrastar pelos braços de duas sombras com asas, e lilases olhos, e

Inocência dos sonhos, talvez um dia, dizia ele, regressamos ao eterno jazigo de prata onde moram os nossos pais, e eu acreditava

Que os meus irmãos eram loucos,

E

Inocência dos sonhos, a cidade plantada na copa de uma árvore, debaixo dela brincam crianças de cabelo castanho, meninos, meninas, homens, mulheres, silêncios de oiro, rios cansados de regressarem ao mar das oliveiras, entre a montanha dos pilares de areia e a táctil mão de desejo que ela, a minha única irmã, transportava para as cavernas do ciúme, havia a noite, triste, e tínhamos acabado de perder todas as estrelas do céu, penhoradas as nuvens, pergunto-me

Que faço eu aqui? Não sei, mas tenho a certeza que os meus irmãos são loucos, e que as acácias salgadas do meu primo Augusto são processos revolucionários em curso, doutorados pelos bares e caves da cidade, ouviam-se gemidos de luz quando atravessava de eléctrico cidade, a mesma cidade a que todos chamávamos

Cidade da inocência dos sonhos,

Alguns azuis, outros, outros encarnados, confesso, gosto do vermelho, mas prefiro o negro, a noite é negra, os buracos negros, evidentemente, são negros, gosto, adoro, amo, as palavras pretas e pretos que voam dentro dos meus poemas, amo as cidades negras vestidas de branco e inventadas pelas mãos de uma criança negra, preta, húmida

A cidade

Toda nua,

E

Às vezes,

E às vezes ouviam-se orgasmos de mel nas colmeias dos sótãos perdidos dos edifícios perdidamente apaixonados pelos carros em miniatura que o menino António trazia nos bolsos do bibe, chegava à escola, e de bata branca, senta-se numa carteira carunchosa, velha, a mesma onde se tinha sentado o pai, o avô, e o tio Francisco, que diziam ser louco e que depois de ter vivido dez anos na Coreia do Norte, nunca

A cidade

Toda nua,

Às vezes, e dizem que nunca mais apareceu, evaporou-se, como as lâminas de barbear que o aldrabão do meu vizinho me vende, riscadas, velhas, com as janelas extintas em fios de aço, ouviam-se todas nuas

As árvores onde vivia a cidade da inocência dos sonhos, quinto andar – esquerdo, ao terminar o dia, esperava-a à porta da galeria falida onde ela teimava trabalhar, sabendo que as paredes

Nuas, todas nuas

Como os pássaros que viviam no meu pobre sótão, coitado, com um cadastro infernal de doenças, diabetes, colesterol, próstata e nunca esquecer o reumático, e ainda eu não tinha chegado ao primeiro andar já ele em queixumes e aos gritos que às vezes eu não sabia se ele estava mesmo doente, se ele se fingia de doente ou pior, se ele estava grávido e a dar à luz

Eu suava, subia dois a dois, os degraus envelhecidos da madeira ranhosa que o velho Fernando deixou quando partiu para a aventura dos montes de areia, sabia-o e sabia-a, ouvíamos docemente o choro de um recém-nascido, e eu, acreditava

Sim, vou ser pai

E ouviam-se do quinto andar – esquerdo, ao terminar o dia, esperava-a à porta da galeria falida onde ela teimava trabalhar, sabendo que as paredes

Nuas, todas nuas

São gémeos,

E juro que ainda hoje não acredito que de um sótão envelhecido, doente, perdido numa cidade que vive sobre a copa das árvores

Tenham saído os meus queridos irmãos,

Loucos,

Pareciam-se como os outros sótãos da cidade, o mesmo rosto, o mesmo tamanho, a mesma cor, e loucos

E que nunca mais apareceu o tio Francisco.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:00

19
Jan 13

Melódica a cor das tuas mãos, poética, poética do silêncio das tuas palavras, e hoje, tudo parece arder na fogueira da vida, invento-te, hoje, invento-te a partir da poeira insónia da noite passada, invento-te da música que escorre pelos vidros das janelas e aqui e ali, acolá, um rosto de porcelana acorda das lilases bocas que a chuva deixa ficar sobre os telhados de zinco,

Vêm dos poisados cansados versos do teu amor os primeiros desejos que a noite esconde dentro de um cinzeiro de vidro, o falso vidro, a falsa palavra, o falso amor, do beijo, falsificados todos os beijos que o poeta lança sobre a terra agreste dos corpos húmidos sobre as arestas finíssimas que as ranhuras de um coração de diamante traça na espuma do mar depois dos sexos se cruzarem nos infinitos carris paralelos até que a morte os separe, os falsos lemes das enguias e dos patos bravos, as falsas velas agarrando os mastros em verdejantes carícias que um cego lança contra os rochedos e pacientemente aguarda a passagem do vermelho a verde para atravessar a passadeira sombria das mágoas despenhadas entre os candeeiros a petróleo e as nuvens de seda morta, as palavras, as falsas palavras que oiço da tua boca

Que a chuva deixa ficar sobre os telhados de zinco,

Dizias-me que amanhã entrariam de mãos dadas, a esperança e o acreditar, e os “cabrões” nunca chegaram, e os “filhos da puta” ignoraram-me, ausentaram-se, fugiram, escondem-se tomara eu saber onde, que a chuva

Palavras que oiço da tua alegre boca que eu desenhei nas madrugadas enquanto dormias sem perceberes que nas minhas mãos de cor melódica ardiam cigarros velozmente como os carros de corrida numa pista de brincar construída por uma criança, retirava todos os objectos que viviam na mesa da sala de jantar, de troço em troço, as curvaturas, as rectas, todo o circuito ia tomando forma tal como as árvores à medida que vão crescendo, colocava as pilhas numa caixinha de plástico, e ligava o interruptor, os carros a principio pareciam ter sono, mas aos poucos rodopiavam em voltas de caracol até parecerem adultos à procura de clientes nos jardins de Belém

Vai uma voltinha “filho”?

OS arbustos tombavam como balas de sabão quando tocam a roupa molhada pelas mãos da lavadeira, e eu respondia-lhes Dizias-me que amanhã entrariam de mãos dadas, a esperança e o acreditar, e os “cabrões” nunca chegaram, e os “filhos da puta” ignoraram-me, ausentaram-se, fugiram, escondem-se tomara eu saber onde, que a chuva

Não vai, Não gosto de voltinhas, círculos, quadrados, tômbolas e poemas de gajos e gajas apaixonados, choramingas, lágrimas de crocodilo em rostos de vidro, como os cinzeiros da mãe Arminda, à procura de poiso quando dos jardins de Belém ouviam-se os nus arbustos que o silêncio deixa ficar nas jangadas que o papelão dos lojistas serviria, um dia, de cobertor, desde que, não, não vai e não gosto de voltinhas e se não me doessem os dentes, juro

“Fodia-te os cornos, seu grande cabrão”,

Juro que a melódica cor das tuas mãos, poética, poética do silêncio das tuas palavras, e hoje, tudo parece arder na fogueira da vida, invento-te, hoje, invento-te a partir da poeira insónia da noite passada, invento-te da música que escorre pelos vidros das janelas e aqui e ali, acolá, um rosto de porcelana acorda das lilases bocas que a chuva deixa ficar sobre os telhados de zinco, e às vezes dizias-me que o piano fumava cachimbo, outras vezes

Há qualquer coisa estranha no nosso quarto amor,

Outras,

“Fodia-te os cornos, seu grande cabrão”,

Outras vezes, juro, que a chuva consegue desmatar os corações de aço que as árvores antes de morrerem dão para alimentar os poemas tristes dos poetas tristes que amam tristemente mulheres invisíveis, tristes, como as lágrimas do Inverno (Verão) quando nascia no longínquo continente uma criança fingindo ser um pássaro com asas em fibra de carbono, tinha na algibeira um motor a dois tempos com 3,5 CV, e quando deram por ele

Voava sobre a cidade imaginária que durante a noite crescia para além do mar, iam e vinham, as ondas, os peixes, as casas dos pobres pescadores, e tombavam as árvores com os corações de aço, e

Deram por ele,

3,5 CV a dois tempos, na algibeira um velhíssimo motor, e quando deram por ele

OS arbustos tombavam como balas de sabão quando tocam a roupa molhada pelas mãos da lavadeira, e eu respondia-lhes Dizias-me que amanhã entrariam de mãos dadas, a esperança e o acreditar, e os “cabrões” nunca chegaram, e os “filhos da puta” ignoraram-me, ausentaram-se, fugiram, escondem-se tomara eu saber onde, que a chuva trazia antes de ele tirar o motor da algibeira e elevar-se até desaparecer no cinzento abdómen da menina loira sentada na velha esplanada do Baleizão,

E voava sobre a cidade imaginária que durante a noite crescia para além do mar, mas muitas das vezes

Davam por ele,

Suspenso numa árvores de algodão com braços de açúcar.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:24

Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO