Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

27
Jun 16

Sempre que te encontro

Desencontro-me

Ausento-me da sombra

Que cobre a tua boca

E alicerçam-se as palavras à madrugada

Sempre que te encontro

Desencontro-me

Como um relógio sonâmbulo nas mãos de uma aranha…

O segredo da partida

Levando as coisas supérfluas da vida

Que só tu sabes saborear…

Sempre que te encontro… desencontro-me

Neste labirinto de xisto

Onde habito

Onde escrevo

Todos os desencontros

De quando te encontro…

 

Francisco Luís Fontinha

segunda-feira, 27 de Junho de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:29

07
Jan 16

O só menino

Comtemplando o rio,

Desenha socalcos na palma da mão,

Escreve poemas no coração,

O só menino

Não sabe chorar,

Dorme quando cai a noite e deixa-se absorver pelo ténue luar

E não conhece a escuridão,

O só menino

Sempre abraçado à fome da solidão,

Inventa gaivotas e tem no olhar

A penumbra madrugada,

E tem no peito,

O beijo

Do amanhecer,

Sem o saber

(Escreve poemas no coração),

Grita. Eu quero o mar.

E o mar vem a ele,

E leva-o,

E leva-o para outro lugar…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

quinta-feira, 7 de Janeiro de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:08

02
Out 15

Meu amor,

Quando os teus seios dormem suspensos nos socalcos do Douro

E o Rio se perde na última curva do anoitecer,

Invento-te,

Escrevo-te…

Faço-o sem o saber,

Ou querer…

Sentir em mim as tuas mãos de xisto lacrimejante,

Sentir em mim os teus lábios de uva mendigando os meus lábios de luar…

Meu amor,

Quando o teu olhar se esconde no Pôr-do-sol,

E uma gaivota alicerça-se ao meu peito,

Sinto o teu perfume vaiado sobrevoando todos os cadeados do teu corpo…

Ai… ai meu amor,

Este sol,

Este Rio…

E estes barcos em papel,

Inventando sorrisos nas lâminas da paixão.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 2 de Outubro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:38

26
Ago 15

Nada me resta neste condomínio fechado,

Esculpido nos muros com esqueletos de xisto,

Brinco com uma bala em direcção à morte,

Sinto o peso da tua mão poisada no meu ombro,

Pareço uma janela sem cortinado dançando ao som do vento,

Este navio em pequenos círculos,

Quadrados,

Parábolas loucas na ardósia da tarde,

Imagino-te vestida de rosa doirada,

Imagino-te sentada na clareira da madrugada,

Triângulos de insónia

Adoçando o teu olhar de andorinha,

E nada, nada me resta nesta montanha suicidada…

Perdi as árvores, perdi as rochas e a sombra das árvores,

Tenho dentro de mim um hipercubo doente…

Não tem coração,

Tenho dentro de mim os fios de nylon das redes transparentes do sonho,

E não tenho sonhos para te descrever,

Invento sonhos,

Invento personagens nas finas lâminas do desejo,

Invento, imagino-te sem nome, e nada… me resta… e nada me resta neste condomínio fechado,

Não me interessa se tens no sorriso um lençol de linho, não me interessa se tens nos lábios os socalcos afogados no Douro,

Não me interessa se navega no teu ventre um barco Rabelo…

Ou uma bandeira sem Pátria,

E nada,

Deixei de amar os livros, deixei de pertencer aos tristes mendigos da cidade em combustão,

Deixei de amar o amor, deixei de amar o mar… e as palmeiras filhas do mar,

Agora, sento-me numa velha esplanada, escrevo o Tejo sobre a simples mesa de plástico,

Pego num café, puxo de um cigarro envenenado pela tua boca,

E escondo-me da luz, e escondo-me das imagens prateadas projectadas nos alicerces da memória,

Fujo, escondo-me, e nada…

Apenas lágrimas confusas descendo o meu rosto de granito,

Grito,

Grito como se eu fosse uma noite de luar,

Grito como se eu fosse um comboio desgovernado…

Contra a carruagem da saudade.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:27

21
Jul 15

A velha estrada em direcção à morte,

Os plátanos das tuas pálpebras,

Cansados,

Tristes,

Revoltados de tanta geada

E tempestades de noite,

Inventas o sono

Nas paredes escuras do sofrimento,

Dormes,

Habitas neste cubículo como se fosses uma sombra envenenada pelo silêncio,

Lá fora,

Pássaros à tua espera,

E da velha estrada

Chegam a ti os Oceanos de prata

Que ofuscam o teu olhar,

Um soldado perde-se nas margens do Tejo,

O caderno acorrentado à mão

Vagueia sobre os cinzentos espelhos da dor,

E todas as palavras voam sobre os esqueletos de papel

Que brincam no teu peito,

A janela do teu quarto encerrada,

A porta dos vinhedos descendo o Douro,

Também ela…

Encerrada,

Não há um número nos seus braços,

Incógnitas manhãs sobre um lençol de linho,

As flores queixam-se da tua alegria,

Cessou,

Como cessaram as pontes para a outra margem…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 21 de Julho de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:15

22
Jun 15

(durante uns tempos não escrever; peço desculpa)

 

Não

Não tenhas pressa de partir,

Imagina no teu olhar

As sonâmbulas asas do mar,

A gaivota desesperada,

Triste,

Tão triste que não dá por nada…

Levanto as mãos,

Passo-as no teu cabelo,

Imagino os teus lábios alicerçados à montanha do Adeus,

Desenhos geométricos no teu peito,

Os teus beijos camuflados pela noite da insónia colorida de prata,

E eu aqui…

Sem nada nas mãos,

Falta-me a última palavra,

E de tantas que escrevo,

Não tenho nada,

Torna-se invisível o teu corpo na alvorada,

Pareces um comboio descarrilhado,

Enferrujado,

Sem maquinista nas curvas do Douro amado,

O poço da tua voz sangrento entre iões e protões,

A lâmina do teu cansaço poisada nos meus braços,

Encerro a janela,

Pego num livro de “AL Berto”…

E não vejo o mar a entrar pela janela…

Ausente,

A partida sem destino na cidade dos Cacilheiros,

O amor dos corpos em sofrimento amor,

Eles amam-se…

Eu.. eu amo-os,

Espalho a saliva do pensamento numa avenida sem nome,

O engate em Cais do Sodré,

O vento emagrecido,

Descendo a “Calçada da Ajuda”,

Eu parecia um cigarro em sentido,

Numa parada imaginária,

Um soldado,

Eu,

Imaginem eu um soldado,

Com uma espingarda de sémen

Disparando palavras contra a ponte 25 de Abril,

Era noite,

Ela lindíssima… vestida de luz

E carros em papel,

Deitava-me debaixo das estrelas,

Escrevia o teu rosto nas minhas lágrimas,

Embriagada cidade das águas sem nome,

Queria ser uma guilhotina,

Uma pistola em chocolate,

Comia a guilhotina…

E oferecia-te o chocolate,

Brincávamos,

Brincávamos entrelaçando as mãos na luz aérea do silêncio,

Emagreço,

Sonho com as tuas fotografias,

Acredito nos caixotes em madeira amarrotados no convés de um paquete,

Era Setembro,

Lembro-me do cheiro das videiras

E das ruas sem transeuntes,

Ouvia o suor das manhãs clandestinas,

O dia,

Anoite,

E o medo…

O medo que tenhas pressa em partir.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 22 de Junho de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:25

31
Mai 15

Este negro espelho

Abraçado à solidão do cansaço

O sonho embainhado nos alicerces da noite

Como se a noite fosse o cobertor

Protector

Da alegria

Não sentida

A vida a escoar-se montanha abaixo

E o rio enforcado no socalco esquecido pelo homem

Dos sonhos

Entre sonhos

A poeira das fotografias,

 

Abandonadas

E perdidas,

 

Este negro espelho

Sem coração

Que o dia entristece

E aquece

Na lareira da dor,

 

E há uma fogueira no meu peito

E há um esconderijo nos meus braços

Prateados

Das doces pálpebras do destino,

 

O menino,

 

Este negro espelho

Espantalho do sofrimento

Que só o sono consegue alimentar

E na lareira da dor

As cinzas parcas dos eléctricos

A cidade ignora-me

Mas não me importo com as cidades

Os rios

O mar

Os barcos

O menino…

Perdido na esperança de acordar.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 31 de Maio de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:29

19
Mai 15

Os teus braços aqui ao lado,

Parecem serpentes esfomeadas

Esperando as palavras da noite,

Ambos sabemos que as palavras não regressarão nunca,

Como nós,

Impossível regressarmos de onde partimos,

Complicada

Esta vida de marinheiro sem embarcação,

Complicada

Esta vida de transeunte sem cidade,

Ou livro, ou cais…

Para aportarmos,

 

Falta-nos tudo

E tudo temos,

 

As crateras e os peixes,

O silêncio e a madrugada,

Embriagados destinos

Com sabor a nada,

 

E os teus braços

Mesmo aqui ao lado,

Serenos,

Deitados…

Ouvindo os apitos dos comboios encurvados no Douro,

O rio

Sofre,

O rio

Sente

Os teus braços…

Nos meus braços

Afogados.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 19 de Maio de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:20

16
Mai 15

Sinto nestas palavras

O tecto nocturno do sofrimento,

Uma sombra de luz,

Sobre ti,

Acariciando o teu corpo

Inventado por mim,

E mesmo assim,

Não estou feliz,

Não me apetece olhar o rio,

Nem os socalcos desesperados,

Ler, escrever ou desenhar,

Sobre ti,

O corpo emagrecido das tempestades de silêncio,

Voas como uma invisível folha,

Sem asas,

Nem… palavras,

Eu,

Sinto nestas palavras

A ardósia tarde da loucura,

Estranhamente… só,

Sempre só,

O vento,

E a chuva,

O medo,

E a paixão,

Escondidos no coração do amor…

Sem sonhos,

Sem… sem Nação!

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 16 de Maio de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:22

19
Abr 15

A vida do sentido proibido

O escoamento do líquido adormecido

Nas mãos do sem-abrigo

Esquecido

Faz da cidade

O amor em quadriculadas paixões de medo

Dorme acreditando que não acordará mais

Sonha com triângulos de luz

Saltitando no tecto do desejo

A vida

Esta vida

Embrulhada no invisível beijo

 

Não o vejo

Meu amor

Deixei de o ver desde o dia do Adeus

Quando os Cacilheiros da nossa cama

Se afundaram no poço do prazer

Tínhamos os livros exilados

Das tempestades do sofrimento

E mesmo assim

A vida do sentido proibido

Não brinca dentro de nós

O cigarro nos teus dedos

E nunca fumaste

 

Imaginava-te em frente do espelho da solidão

Procurando rugas

E aranhas zangadas com o silêncio

Dos teus peixes

Meu amor

As espinhas

E o pó dos Oceanos enferrujados

Os barcos de água

Galgando as coxas da inocência

Como um bolo

De chocolate

Na boca de uma criança

 

Dormíamos com o Tejo pintado no teu corpo

Regressavam os petroleiros

E sentíamos os apitos das gaivotas de aço

Poisando

Em pequenas plataformas de espuma

Até… até adormecerem no teu colo

Olhava-as

Fazia-lhes festas como se fossem os nossos filhos

Que nunca viram a madrugada

Nem a manhã

Dançando nos teus lábios

Tínhamos o mundo dos vulcões de areia

 

E as pinceladas conchas do primeiro abraço

Tínhamos os socalcos do Douro

Encurvados nas lâminas da insónia

E o vento folheava o teu cabelo

Entre espadas e balas de amêndoa

Canso-me

Meu amor

Da escrita e das palavras

Dos livros

E das coisas parvas

Canso-me das fotografias que me tiraram na infância

Sempre o mesmo ranhoso

 

Sempre…

Sempre a mesma sombra sobre os ombros

Frágeis

Magoadas conversas

Nós

Perdidos num jardim de província

Sem barcos

Sem Calçadas

Sem gajas

Nem gajos

À pedrada

À pancada

 

Como os Monstros do Tejo

Quando dormíamos

E entravam nos nossos corpos de néon

Faziam-nos o que não queríamos fazer

E nós

Impávidos

Perdidos num jardim de província

A declamarmos poesia roubada na Feira da Ladra…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 19 de Abril de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:27

Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO