Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Partilhável como os teus seios de abrigo em noites escuras, partilhável como veleiros mendigos em mares por navegar, partilhável como um esqueleto em vidro e pintado à mão,

O corpo

À mão, em dedos como lâminas, os cabelos incham, aumentam de volume, voam sobre os arbustos comestíveis das searas negras, vultos com sorriso nos olhos, à mão, vêm como penas dos pássaros assassinados pelo vento, e o corpo

Navega, estreme como a tua voz quando me ouvias dentro dos cubos de gelo que existiam no velho jardim dos desejos cabelos, os cabelos incham, aumentam de volume, cresce, o corpo cresce vagarosamente, a idade constrói-se num calendário esquecido no arame que vive e sempre viveu... nas traseiras da casa, o banco onde te sentavas, depois do jantar, morreu, e o livro que trazias sempre debaixo do braço

Morreu?

Não, não morreu, deixei de o ver, desapareceu, ausentou-se numa noite de Inverno, estava a lareira acesa, havia lençóis de geada em frente à nossa casa

Lembras-te?

Da casa, do livro... ou da geada?

De mim, se ainda te lembras de mim...

Não, Morreu?

Como morrem todos os livros e todas as geadas, de cansaço, de insónia, de

À mão, meu querido?

De nada adiantaram as gaivotas que nos visitavam ao cair da noite, porque morreu a noite, porque morreram as gaivotas... e

As fotografias, também morreram?

Não, morreu?

E nada fazia crer que tu, tal como o livro, e tal como a geada... deixasses

Deixasse o quê, meu querido?

Deixasses de me visitar, deixasses de perceber como eram construídos os sonhos antigamente, não hoje, mas ontem, o correio electrónico impaciente, não se cala, desassossegado, impaciente...

Saudades das cartas perfumadas com corações desenhados pela tua mão minúscula, pela tua mão... de criança, na altura, cresceste, és mulher, de papel ainda vives deambulando junto ao Tejo, oiço-te quando espero pelos barcos, oiço-te quando me sento num banco em pedra, sinto o frio no rabo, e imagino-te... saltitando nas minhas coxas, oiço

Os apitos,

Partilhável como os teus seios de abrigo em noites escuras, partilhável como veleiros mendigos em mares por navegar, partilhável como um esqueleto em vidro e pintado à mão,

O corpo

À mão, em dedos como lâminas,

Os apitos, comestíveis, partilháveis... como se fosses um livro emprestado, folheado por toda as pessoas lá do bairro, e à mão, o corpo

Inchava e aumentava de volume, e o teu cabelo parecia uma noite de luar, e o teu cabelo parecia uma noite de boémia, num qualquer bar em Cais do Sodré, e o teu cabelos, os apitos, cruzavam o rio, olhava-te e sentia dentro dos teus olhos as tempestades

O corpo, chora, meu querido?

Morreu...

Tempestades como ramos de rosas sobre a lápide do teu desejo, como a lápide da tua vagina quando as gaivotas

Quais gaivotas, meu querido?

Quais gaivotas, meu amor...

De nada adiantaram as gaivotas que nos visitavam ao cair da noite, porque morreu a noite, porque morreram as gaivotas... e

As fotografias, também morreram?

 

(não revisto – ficção)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 12 de Agosto de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:31

07
Jul 13

foto: A&M ART and Photos

 

Submergem de ti os pequenos silêncios da alvorada

abres as pálpebras embebidas nas lágrimas da insónia

mergulhas em mim como um arbusto suicidado no rio do desassossego

sinto-te fervilhar como uma gaivota em cio

sobrevoando os socalcos imaginários da encosta montanha

e da tua boca

os pequenos gemidos

latidos contra o muro em betão que separa o cais do amor da sulfurosa água da fonte velha,

 

Oiço-o como se vivessem em ti os braços espetados no dorso magoado da árvore do desejo

e depois da janela partida os vidros esperam a chegada do vento

e uma mão escreve na parede dos teus lábios as canções desesperadas

dores inventadas no teu coração,

 

Submergem de ti os pequenos barcos do louco marinheiro...

e as ondas púrpuras que os teus olhos alimentam

descem do corpo cerâmico... como as tempestades de areia

nuvens de chocolate...

ventos desconformes

assim como o divã onde nos deitávamos

depois de poisar o Sol sobre as tuas canelares flores de papel...

assim como um orgasmo supérfluo no esqueleto nocturno do extinto Luar.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:51

06
Jul 13

foto: A&M ART and Photos

 

Terei em mim as sobejadas tuas lágrimas?

E as tuas algas, meu amor,

como conseguem elas sobreviver sem as minha mãos...

sem o meu olhar,

terei em mim as algemas flutuantes do silêncio

quando apareces no espelho da noite

e começas a cantar

sorrindo,

 

Sou uma gota de água salgada

que voa nas clarabóias do teu doce cabelo

sou uma gaivota disfarçada de gota de água...

que te ama quando deitas a tua cabeça no meu peito confeccionado com as pobres pétalas

do xisto laminado da paixão,

 

O amor dispara palavras contra os uivos meninos da cidade dos abismos

sentavas-te nos corredores da noite como se fosses uma árvore

uma menina vestida de árvore

como as tuas algas e os teus peixes e a rosa que deixaste no interior de um velho livro...

o amor disfarça-se de madrugada

e assim, nós, os eternos amantes, dormimos parecendo pássaros envenenados pelo cacimbo,

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:26

12
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Ouvíamos as poucas migalhas que a insónia deixava em nós como acontecia com os candeeiros em alumínio debaixo da nossa janela da casa de banho, durante a noite um corredio de chinelos entre o corredor e o Hall de entrada, que muitas das vezes, a porta ficava num estado de medo, assustava-se o corrimão de acesso ao nosso andar, e nunca percebemos a razão de tanta desgraça, e se havia fome entre as caixilharias, nunca o percebemos,

Os cobertores e os espelhos da velha escada de madeira, dormiam já, eu e ela, de mão dada, tropeçávamos nas sombras que do penumbro silêncio vindo da clarabóia ia aos poucos desenhando círculos de luz no gesso em pequenas frestas que nos conduziriam até ao terceiro andar, embriagados, nós, cambaleávamos como trapezistas sobre um arame que atravessava a rua não muito larga, em frente à casa onde tínhamos um quarto alugado, havia uma igreja, ante de introduzir a chave na ranhura da fechadura, benzia-me, e perdia a Deus que me acompanhasse na derradeira viagem sobre a noite até a um quarto com uma velha cama estreita e sem janela, e um vidro sobre uma chaminé invertida, mostrava-me o céu quando rompia a manhã,

Éramos crianças com bibe no recreio da escola, quando chegava a casa, acompanhava-me a comichão do bichos do velho pinheiro, e do outro lado da rua, mesmo em frente à escola, tínhamos o mar, o cais ficava a uns quinhentos metros, e eu, em vez de olhar a professora com as explicações de geometria, preferia contemplar a felicidade dos barcos, apreciava-lhes a liberdade, e sobre o oceano, ninguém, ninguém lhes interrompia os grandes voos de gaivota de motor a diesel,

Subíamos encostados aos cordéis das esplanadas da calçada inclinada, ombro com ombro, eu amparava-te, e tu, imaginavas segurar-me a mão como dálias do mesmo canteiro olhando o sol, em pedaços de milímetro desperdiçados nos paralelos solitários, pegava-te e erguia-te, e já dentro do pequeno cubículo, despia-te, e ficava assim..., como quem observa uma tela acabada de pintar, olhava-te, e no teu corpo, escrevia poesia com o meu olhar, e com as minhas mãos, desenhava-te o mar, sentia-te respirar e sabia que estavas viva, dormias, sonhavas com carcaças de velhos petroleiros deambulando durante a noite corredor fora, debaixo de nós ouvíamos o bater de asas dos barcos em pequenos voos rasantes, éramos novos ainda

Tínhamos um bibe com pintinhas,

Brincávamos no recreio, ouvíamos as poucas migalhas que a insónia deixava em nós como acontecia com os candeeiros em alumínio debaixo da nossa janela da casa de banho, durante a noite um corredio de chinelos entre o corredor e o Hall de entrada, que muitas das vezes, a porta ficava num estado de medo, assustava-se o corrimão de acesso ao nosso andar, e nunca percebemos a razão de tanta desgraça, e se havia fome entre as caixilharias, nunca o percebemos, como hoje, não percebo o teu nome murmurado enquanto dormes, e apenas sei que o teu cabelo ocupa a minha almofada, alimenta-se dela, vive nela, como viviam as palavras engasgadas da tua garganta recheada com melódicas canções e poemas por declamar,

Estávamos no recreio, sentia a tua voz, éramos do tempo do Bar um (em Vila Real) e os dois, de bibe, ficávamos até que toda a gente se evaporasse, até que tu e eu ficávamos frente a frente, mergulhados em vapores de iodo, como velhos sonhos em velhas camas, elas, rangiam, e percebíamos que dos orgasmos delas, uma apenas almofada, guardava o perfume do teu cabelo,

A professora chamava-nos, saíamos do Bar Um e voltávamos às lições de geometria, e um dia, aprendemos que o teu corpo era como os poemas de AL Berto; quantas mais vezes os líamos, mais apetecido ele era, é, e hoje, nós, sem os bibes, limitamos-nos a

Olá, estás bom?

Olá, como estás!

Vou, vou andando...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:28

25
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Voávamos entre as gaivotas assassinas

que todos os finais de tarde

acordavam

voávamos como livres pensadores

sentados debaixo de um qualquer plátano que o tempo esqueceu em nós,

 

Havia um mar desenhado nas rochas que brincavam no teu peito cerâmico

e os barcos nossos que laçamos em viagens circulares

ouvíamos-los pacientemente chegando ao pôr-do-sol

que do teu corpo

aconchegava a maré dos vértices de luz,

 

Voávamos entre... assassinas

que das tuas mãos se erguiam quando encerravam o sol numa caixa de vidro

e os lábios oiro que construíam sorrisos nas margens do rio

voavam como nós

voávamos sobre as lápides como crânios selvagens vivendo na montanha dos lápis de cor,

 

Sem percebermos que éramos sibilantes palhaços de pedra

procurando as nuvens inventadas pelas loucas tardes tuas

que o prazer acorrentava nos teus finos braços de crisântemo envelhecido

voávamos

voávamos às viagens de cartão em redor de um pilar de areia,

 

Voávamos de mão dada entre gaivotas assassinas

e noites de literatura

esquecíamos as tardes de poesia e subíamos as escadas em caracol

que nos levavam até ao telhado silêncio da cidade das algas tuas coxas

e ficávamos... assim... como hoje... à espera que terminasse o dia.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:11

13
Mai 13

foto: A&M ART and Photos

 

Não sei se amanhã, cedo, recordarei os teus olhos de hoje, amanhã, não sei, se recordarei, cedo, os lábios teus que percorreram o meu corpo invisível, como uma cortina de fogo, dentro de um copo com água, um cilindro, o cubo, não, sei talvez que não recordarei, porque não sei o significado de recordação, perdi o sentido de navegação, e hoje, como ontem, sou um pedaço de madeira desgovernada sobre os teus ombros penumbrosos e frios que o Outono provoca em ti com as canções de pequenos silêncios, sei, ou será que me esqueci? Como seriam os teus lábios, de cedro, antes de mergulharem em mim, coitado, um transeunte doente, e enfeitiçado, mal-educado, ausentado

não

Cedo, amanhã, preguiçarei como um marinheiro à procura de um corpo homem para poisar as desejosas insónias que vivem nos homens com cheiro a oceano, o sal entrava em nós, e vivíamos como dois camarotes partilhados mutuamente como duas pequenas divisões de uma casa flutuante, germinados, os nossos corpos de vapor nas asas de uma triste gaivota, o covil como nunca o tínhamos visto, não, sei se amanhã, cedo, alguma coisa em mim para recordar, mas o quê, concretamente?

nuvens? pratos com sopa mais parecendo copos com água? ou... as tuas mãos sobre mim, como uma caneta de tinta permanente, sempre e sempre e nada, ausente de ti porque eu desconhecia as cavernas que o medo provocava em nós, porque tu sentias o meu peso como simples gramas de poeira depois de o vento desaparecer entre candeeiro a petróleo e bananeiras de regresso a S. Pedro do Sul, havia muitas, nas termas, uma fonte, circular, cheirava a enxofre, borbulhavam pequenas partículas de sémen, e tu, sempre o tu, sentíamos-nos felizes como dois pássaros voando entre Carvalhais e Favarrel, e nunca vi as tuas mãos entranharem-se-lhes no tronco resinoso do pequeno pinheiro manso da tapada do meu avô, chegávamos lá, e sempre lá, ouvíamos os sussurros expeditos das vozes enlatadas do atum e da sardinha, até que me pedias para um dia

Juras que um dia me recordarás?

até que... um dia desenhasse corações nas espigas de milho, empoleiradas, todas elas, atulhadas, como homens e mulheres entre quatro paredes, e

Não,

e cedo, amanhã, preguiçarei como um marinheiro à procura de um corpo homem para poisar as desejosas insónias que vivem nos homens com cheiro a oceano, o sal entrava em nós, e vivíamos como dois camarotes partilhados mutuamente como duas pequenas divisões de uma casa flutuante, germinados, os nossos corpos de vapor nas asas de uma triste gaivota, e assi o desejavas antes de eu nascer,

Talvez te recorde,

e o significado de recordação,

(talvez um dia consiga recordar-te, meu querido)

… significado, omitido, como todas as âncoras que ligam os corpos celestes ao fundo do oceano, e pedras, e pedras estranhas, fazem amor numa pequena rua no Paquistão...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:31

01
Mai 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Incansáveis, inanimados, desiludidas, porquê tantos e tantas ou sem sabermos, de ti, quando sobes as escadas, bates-me à porta, e em palavras acabadas de mastigadas pelo vento, dizes-me

amor, tens um pedacinho de salsa que me emprestes? Não, respondo-te intransigentemente, claro que não, porque não sei o que é salsa, porque se soubesse, não, não te emprestava salsa, e também...

E depois, não sou, nuca o fui, o teu amor, provavelmente, outro o é, outro que tem salsa, hortelã e pimenta, é calvo, tem olhos escuros e orelhas pontiagudas, é lindo, e vive num rés-do-chão com vista para o cemitério da aldeia, é aparvalhado, como eu, em imaginar-te um dia sobre as nuvens vestida de cinzento prateado, usavas um vestido desenhado por mim, calçavas uma sandálias também elas, desenhadas por mim, e nos lábios, nos lábios era suposto trazeres palavras açucaradas, em ponto de rebuçado, e no entanto, apenas te imaginava, e tu, sem saberes que eras apenas um sonho, que não passavas de desenhos, riscos, palavras mortíferas na boca de uma serpente, e de nada serviam as clarabóias despidas, nuas, nuas as duas, o tecto, o sol, e as noites depois das tempestades de areia sobre a tenda lona com estrelas aqui, ali... e acolá, sei lá, enfim, a vida a retalhos, em movimentos tortos, inclinados sobre o silêncio,

subsidiado, tu, sobre as grades de um paquete em movimento,

“Incansáveis, inanimados, desiludidas, porquê tantos e tantas ou sem sabermos, de ti, quando sobes as escadas, bates-me à porta, e em palavras acabadas de mastigadas pelo vento, dizes-me”, Resolvi esquecer as palavras que todos os livros entranharam no meu corpo antes de ele ser dilacerado pelo bisturi plastificado, mumificado, desaparentado, que os pregos de aço deixam nas searas de trigo, de cá até lá, meia dúzia de pássaros, algumas espigas de milho, rosas, poucas, poucos, os alimentos desventrados das paredes em gesso envenenado, desobediente, vai prisioneiro por se revoltar, ou por fazer outros revoltarem-se, luta de galos, lutas de burros, e depois, às vezes, os sexos entranharam-se-lhe nas mãos coloridas pelos cartazes que dois ou três jovens colavam nas paredes envelhecidas de um prédio em decomposição, cheirava mal, cheirava a

Puré de batata, a cebola, ou a alho,

caraças, nada disto está nos livros, e

Amor?

amor, qual, eu, ou os esqueletos que dormem dentro do meu guarda-fato?

Só precisava de um raminho de salsa...

e claro que fico chateado, furiosíssimo, quando me chamam de amor só quando precisam de mim!

Só precisava de um raminho de salsa..., que desses olhos lágrimas têm em demasia, como elas, que inventam noites sem estrelas para adormecerem mais cedo, desequilibrados, equilibrados, falhados, furiosos, como todos, todas, insignificantes envergonhados torrões de açúcar depois de partirem das esplanadas as gaivotas embriagadas, voam, caiem, levantam-se, e tropeçam na calçada...

 

(não revisto, ficção)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:53

26
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Sob o cinzento céu passeavam-se as gaivotas com pequenas pinceladas de neblina que os barcos a vapor semeavam nas ruas da cidade, havia algumas árvores, tristes árvores, havia uma mulher com os braços cruzados que sonhava com o mar e com o vento que transporta as gaivotas, as gaivotas que poisam sobre as árvores prateadas, quando todas as luzes se apagam como quando os espelhos cessam de projectar imagens, lágrimas que caiem da mesa-de-cabeceira e rolam sobre as tábuas indolores do soalho, alguma parte dele, apodrecida, outra, voando como as gaivotas, sob o cinzento céu de Abril, e outra

doente

E da terra inclinada, projectam-se contra o tronco débil das pequenas árvores, rochas e objectos de pequeno porte, os vidros das janelas que ajudam a proteger do silêncio as pequenas árvores, partem-se, estilhaçam-se e derramam-se como líquidos vaidosos sobre a neblina porcelana dos vestidos das bonecas das meninas que brincam debaixo das oliveiras, pequenos torrões de açúcar aguardam pela sinfonia melódica das cantigas endiabradas que aos poucos se vão ouvindo do pátio da escola primária, um rapaz de calções

doente, com pequenas pedras da calçada, parte os vidros da escola, joga ao espeto com um ferro pesado e aguçado, um dia quase que ficou com o pé esquerdo prisioneiro no recreio da escola, furou-lhe a bota e só abrandou quando quase atingiu o centro da terra, aí, percebeu a razão de não caírem as árvores, os edifícios das cidades, que em casos especiais, quase chegam ao céu, e tudo à sua volta

Estranho, os calções baloiçavam entre duas cordas de nylon, um travessão de madeira servia-lhe de assento, e depois de um ponto final, um novo paragrafo e perdoar-lhe

amar-te-ei?

E o cinzento céu a misturar-se com o solitário vapor dos barcos de cartolina, e porque as gaivotas de papel com pequenas pinceladas de neblina não sentem o cheiro da nafta horrenda que se ouvia nos portos de embarque, o miúdo de calções, quase em pequenos vómitos, subiu as escadas do paquete abandonado, enorme, com tantas janelas que quando tentou contá-las, desistiu, porque eram muitas, porque ainda não sabia contar,

porque o cheiro envenenado da nafta parecia madrugadas em bolor no tronco das pequenas árvores da menina com os braços cruzados,

Amar-me-ás?

Porque o cheiro envenenado

Amar-me-ás? Perdoar-lhe como os marinheiros perdoam às marés o sombreado dos cais e dos soníferos para a constipação e dores de cabeça, e a diarreia, e para todas as desilusões do amor depois de adormecer a tempestade, depois de adormeceres, deitares a cabeça sobre uma almofada de xisto, e sonhares que

se amanhã fosse Sábado... pegava no vapor e zarpava... abria a janela, borda fora com o diário de bordo, passava pelas pequenas árvores onde uma mulher com os braços cruzados brinca com as meninas das bonecas vestidas com a porcelana fina, e depois

De chegar à cidade, percorrer todas as ruas como as procissões de aldeia, fazia-me à literatura, imaginava imagens em espelhos de guarda-fato que deixei numa pequena casa em Vila de Migalhas, construía personagens do tamanhos das pequenas árvores, com corações sofridos, com braços cansados, com pernas distantes das temperaturas íngremes que os velhos termómetros de mercúrio desenhavam nas ardósias da contemplação de uma fotografia em plena Primavera,

doente

Amar-me-ás?

amar-te-ei?

E a bailarina, enquanto não descruzar os braços e folhear o livros dos sonhos, não poderá nunca responder

Amar-me-ás?

Não sei, ainda não sei...

e eu

amar-te-ei?

Só depois do cinzento céu se alicerçar nas pequenas árvores, e eu, tu, elas, e elas, deixarem de brincar, despirem a fina porcelana e inventarem novas imagens nas ruas da cidade encharcadas com o velho vapor do barco de cartolina

e eu, um rapaz de calções

doente, com pequenas pedras da calçada, parte os vidros da escola, joga ao espeto com um ferro pesado e aguçado, um dia quase que ficou com o pé esquerdo prisioneiro no recreio da escola, furou-lhe a bota e só abrandou quando quase atingiu o centro da terra, aí, percebeu a razão de não caírem as árvores, os edifícios das cidades, que em casos especiais, quase chegam ao céu, e tudo à sua volta,

Depois de subirem as escadas, tocam suavemente o céu.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:09

21
Abr 13

Estranhas imagens que o corpo absorve

depois de regressar a tempestade

e a fina areia mergulhar

nas profundezas mãos de sabão,

 

Estávamos loucos quando imaginámos sombras nas janelas do amanhecer

e via-se perfeitamente um cortinado de amargura

rompido e ensanguentado

desértico do amor apodrecido,

 

Descia a noite

e as imagens negras voltavam às tuas mãos

havia uma ressonância de cigarros

embainhados debaixo do tecto das gaivotas que diziam-se perdidamente apaixonadas,

 

Perdidamente

perdidas entre vãos de escadas

e portas emagrecidas

… portas com corações de oiro e olhos madrugadas.

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:13

24
Mar 13

Deixaste-me uma simples caixa de sapatos com alguns dos meus segredos, os poucos sonhos que sobejaram da grande viagem aos montes das pedras mortas, nenhum sobreviveu, nenhum conseguiu atravessar a ponte espacial, o famoso túnel de vento onde com o meu corpo, tu, experimentavas as leis aerodinâmicas, e nunca, nunca conseguiste que eu voasse, e confesso hoje, sem qualquer medo, que te mentia, porque nunca me imaginei a voar, mesmo quando me ias buscar ao sono das noites das madrugadas sem movimentos pendulares, olhavas-me, e eu

Percebia,

Que

Que um carrossel de vinho girava dentro do meu corpo preguiçoso, e sabia-o, sabia-o nas traições murchas palavras que as flores deixavam cair quando o vento era muito, regressávamos às tempestades de suor, e diziam-nos que o barco com asas de íris tinha mergulhado num buraco espesso, escuro, fundo, cinzento, que

Percebia,

Que este carrossel tinha cadeiras de madeira presas a correntes, que este carrossel rodava em torno de um veio de aço com duzentos e seis ossos, trinta e dois dentes de marfim, e um par de unhas de gel,

Irra? Vinte Euros por isso...

Compravas dois livros,

Mas mamã, com as unhas de gel fico lindona, e com os livros... quem me vai ver com os livros, e mamã... para que me servem os livros? O que eu preciso é de um homem rico, como o teu, que paga todas as nossas contas, Contas?

Sim, um, dois, três, quatro, cinco vezes três, vinte e cinco a dividir por três, o cosseno de três pi radianos..., ou que nos revolva a raiz quadrada de três mil quinhentos e quarenta e cinco, vês? Contas, o que nós precisamos são de contas pagas, com a respectiva factura, Factura?

Claro, factura,

E Fatura?

(Não, chinês não saber o quê fatura)

Numa simples caixa de sapatos, sonhos, berlindes, fotografias a preto-e-branco, bonecos, vestidos para os bonecos, tudo, tinha lá todos os meus pertences, e agora?

Nada, perderam-se as fotografias, agora são a cores, não gosto, odeio, e detesto,

Berlindes?

Rebuçados de água e açúcar, mangas ao final da tarde, chovia-nos no quintal porque a lona da tenda com alguns problemas de sonorização, e pelas ranhuras entram sons externos ao espectáculo,

Sons? Não era a chuva?

Também, também, e quando era em demasia transbordava da caixa de sapatos, e hoje, abro-a, e olho-a, e sinto (o famoso túnel de vento onde com o meu corpo, tu, experimentavas as leis aerodinâmicas, e nunca, nunca conseguiste que eu voasse, e confesso hoje, sem qualquer medo, que te mentia, porque nunca me imaginei a voar, mesmo quando me ias buscar ao sono das noites das madrugadas sem movimentos pendulares, olhavas-me, e eu), e sinto as cancelas da noite a encerrarem-se depois de ela me despir e deitar,

Eu sonhava,

Ela desesperava,

Eles,

Cruzavam os braços em direcção ao pôr-do-sol, e como o correio, só tínhamos pôr-do-sol duas vezes por semana, e quanto a marés, essas, apenas três ou quatro vezes por mês, e mesmo assim, éramos tão felizes, e mesmo assim éramos as gaivotas embalsamadas que, também elas, só apareciam dez vezes por semana, quando acordava o dia e quando a noite desaprecia

Em ti,

Como ainda hoje desaparecem todos os meus berlindes de chocolate, como ainda hoje

Em ti,

Barcos de papel perdem-se no oceano teus seios de amêndoa, flutuam como algas em desespero, levantam voo, abrem as asas, e caem sobre as madrugadas filhas dos cortinados de Inverno, barcos, perderam-se, no

Teus,

Oceano,

Seios de papel que as gotinhas da chuva deixam ficar sobre as pétalas mortas, eu inseria a moeda na ranhura, ele devagarinho começava a girar, e eu, aos poucos, sentia-me envergonhado, redopiava, e de vómitos suspiros, girava e girava e girava..., até que terminadas as voltas, e a duração da moeda, estonteante, cambaleava, e ela ia buscar-me ao sono das noites das madrugadas sem movimentos pendulares, olhavas-me, e eu

Percebia,

Que,

O carrossel tinha cessado os seus movimentos dentro do corpo dela., como o mar, quando desiste de viver e suicida-se contra os rochedos dos sexos recheados com insónia.



(texto de ficção não revisto; qualquer coincidência com a realidade é pura ficção)

@Francisco Luís Fontinha



P.S.

(mamã, parti uma unha..., ai minha filha, valha-nos Deus, valha-nos..., porque se ele descobre, se, amanhã, podes ter a certeza que estamos sentadas no passeio junto à Marilú, a pedirmos esmola, e depois, mamã, quem nos vai fazer as contas? Talvez, ai... valha-nos Deus, talvez nos apareça outro palerma bom em matemática).

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:55

Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO