Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Ago 15

desenho_08_08_2015_2.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Canso-me dos teus olhos

Quando a fotografia se suicida na madrugada indolor,

Não tenho medo da noite,

Da morte…

Mas canso-me dos teus olhos

Semeados numa seara de vento,

Sem nome,

Sem gente,

Há na tua mão uma triste flor,

Com pétalas descalças,

E nos lábios…

Transportam dor,

 

Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!

 

Canso-me,

Dos teus olhos impregnados nas minhas palavras,

São tão tristes… os teus beijos

Dançando na barcaça do “Adeus”,

São tão tristes os teus desejos,

E os desenhos esquecidos no teu corpo… em movimento,

 

(Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!)

 

Se há noite… meu amor…

Que me leve…

E me faça adormecer,

Para sempre,

Como os teus olhos…

Que me cansam… e cansam…

 

E me fazem chorar

Quando me olho no espelho da manhã…

Sabes, meu amor!

 

(Ai meu amor…

Os rochedos da insónia alicerçados aos cortinados do sofrimento!)

 

O silêncio é uma faca cravada no meu peito.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 8 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:11

Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO