Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

07
Abr 16

Na longitude do amor

Desenho a cabana do sofrimento

A saudade regressa do infinito ausente musseque

Procuro os pequenos charcos da infância na algibeira do tempo

Queria ser gente

Correr

Saltar

Brincar no teu olhar como brincavam as gaivotas sobre o meu cabelo

Habitar nas tuas mãos com que afagas o meu olhar

Sentar-me nos jardins inventados pela escuridão da paixão

A solidão vive

Absorve-me como absorve as tempestades

O silêncio do medo agarrado ao meu corpo sonolento

Os meus ossos ficam colados no espelho dos tristes dias ausentado

Como uma fotografia sem ninguém

Cubro-me pela madrugada em construção

Sonho

Vivo sonhando com papagaios em papel

Imagino-me no parapeito de uma janela gradeada pelas sombras do abismo

O amor morre

Morre como morrem os fantasmas do amanhecer antes de ir para a escola

Sou um marinheiro desempregado

Passo os dias junto ao mar na ânsia que alguém me venha procurar

E novamente saltito nos charcos dos musseques de zinco

O medo

O medo de não regressar nunca

Às palmeiras de cartão

 

 

Francisco Luís Fontinha

quinta-feira, 7 de Abril de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:51

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13

17
22

26
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO