Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

14
Jun 15

Os soníferos morrem na tua boca adormecida,

Perdes-te na noite,

És uma tela vazia,

Branca,

Negra,

A fantasia…

Vejo-te sorrir

Como sorriem as amendoeiras em flor,

Sem nexo,

Sem amor,

Alimentas-te das sombras enfeitiçadas da cidade perdida,

Um petroleiro fundeia no teu peito,

Dá um grito,

E dorme,

Os soníferos morrem,

Como morrem todos os soníferos,

Como morre a noite,

E o rio engole-a,

Come-a,

E foge,

E voa,

E volta a morrer,

Renasce num qualquer jardim dos teus lábios,

Alicerça-se neles,

É firme,

É robusta,

Mas morre como morrem as minhas frágeis palavras…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 14 de Junho de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:12

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17

23
25



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO