Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

31
Jul 14

Esta arte,

Este povo no pedestal da saudade,

Dizem-me que há um desejo em tempestade,

Uma mulher que arde,

Uma mulher que arde… arde na lareira da vaidade,

 

 

Esta arte,

Estas cores pinceladas de veneno,

O beijo que assombra a árvore no vento ameno,

Uma mulher que arde,

Arde… no meu peito sereno,

 

 

Esta arte,

Este povo que teima em não se revoltar,

Dizem-me que há no mar,

Uma mulher que arde,

Arde… arde sem vontade de regressar,

 

 

Esta arte,

Que o meu corpo consegue transpirar,

Esta arte que não respira nas noites de luar,

Que arde…

Que arde… que arde sem parar,

 

 

Esta arte,

Que os musseques alicerçam ao cais dos afogados,

Meu povo… meus coitados,

Esta arte que arde…

E não vos deixa sossegados.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 31 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 18:01

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO