Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cachimbo de Água

MENU

As falsas palavras do adeus

Francisco Luís Fontinha 20 Set 16

São falsas as palavras

que escreves na minha boca,

da inocência de um sorriso amargo

constrói-se a cidade louca,

quando no embargo…

o meu corpo morre junto ao rio,

uma gaivota em cio,

um olhar fundido na neblina

subindo montanha acima…

são falsas todas as palavras,

as esbeltas

e as parvas,

tuas palavras,

conjugadas na escuridão do dia…

desces a calçada,

encostas-te ao silêncio da tristeza,

e um barco sentia

o tremor da madrugada…

o tremor da beleza,

 

São falsas as palavras

ditas e não ditas,

escritas

e não escritas…

 

Na minha boca,

 

Tudo em ti é falso

como sentir da noite a construção do luar,

a cidade dilacera-se em constantes equações de sono

que o prazer alimenta,

envenena…

e faz voar…

as palavras locas

que escreves na minha boca,

 

Sinto nos esqueletos de xisto

as migalhas prometidas

por um falso homem…

às vezes

desisto,

às vezes preciso das nuvens aborrecidas,

 

São falsas as palavras

que escreves na minha boca,

e eu sem saber que a loucura

é uma parvoíce ensonada,

vive desajeitada,

na minha cama…

na minha cama amada,

na minha cama cansada…

 

 

Francisco Luís Fontinha

terça-feira, 20 de Setembro de 2016

Inserir comentário

De
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.
Comentário
Máximo de 4300 caracteres

O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback