Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

22
Out 14

Vão morrendo as palavras de amar

quando desperta no amanhecer

o quadrado silêncio mergulhado no círculo lunar,

 

Faço-me à vida,

caminho sonâmbulo sobre a fogueira dos meus poemas

até que eles se transformem em nada,

olho-me no espelho da agonia, sinto na garganta a tempestade da paixão,

carrego nos ombros o peso do meu próprio caixão,

em vidro, e com fotografia a preto e branco para o mar,

saboreio o teu corpo nas pálpebras verdes dos livros não lidos,

perco-me em ti... sem saber se amo, sem saber se estou vivo nesta campânula de lágrimas,

e o desassossego inventa-me como se eu fosse um papagaio de papel,

de muitas cores,

como muitas cartas de amor

no tempo destruídas pelas suicidas lâminas da geometria,

 

Tenho saudades de ti...

minha Lisboa, meu amado Tejo... meu amante Cais do Sodré,

percebia nas paredes húmidas da noite um corpo em translação,

uma puta que procurava um ombro de gesso,

um gajo embriagado que cuspia finos fios de fogo...

e terminava quando a cidade acordava,

eu amava, eu não amava...

eu sentia nas amoreiras flores o beijo de ninguém,

o pavimento paralelepípedo da tristeza começava a transpirar,

ouviam-se os gemidos delas, ouviam-se os gemidos deles...

e ao longe,

um apito encurralado entre carris de aço em direcção a Belém,

 

(Vão morrendo as palavras de amar

quando desperta no amanhecer

o quadrado silêncio mergulhado no círculo lunar),

 

Esquecia as mãos na algibeira,

iluminava-me na fragrância madrugada quando um banco de jardim corria para o rio,

misturava-se com um velho Cacilheiro, às vezes... tossindo, às vezes... às vezes coxeando...

como um mendigo prisioneiro de um vão de escada,

como um marinheiro em busca de sexo, drogas... e um par de asas...

nunca voei,

e havia noites que sobrevoava a minha amada Lisboa,

como um louco,

como um prego de aço no barbear da manhã...

disfarçava-me de ponte metálica...

e desenhava sorrisos nos vidros pintados de negro embalsamado,

até morrerem todas as palavras de amar...!

 

 

Francisco Luís Fontinha

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:00

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO