Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

17
Jul 14

Não me perguntes onde vivem as cidades com coração de pedra,

porque a noite é escura, porque a noite é bela, e sombreada...

não me perguntes de quantos desejos estou à espera,

porque não espero desejos,

porque não existem desejos nas cidades com coração de pedra,

 

Não me perguntes a cor do meu olhar,

não,

sim, sim... eu tenho olhar,

mas... mas não desconheço as cores,

mas... nunca vi o mar, o amor, e as flores,

 

Não me perguntes...

porque há em mim uma lâmina em betão armado,

triste,

triste e cansado,

não,

não me perguntes pelas árvores do meu quintal,

não, e nunca... e nunca tive um quintal,

e nunca, até ver... fui... fui degolado,

posso ser parvo,

e louco,

mas... mas não conheço as cores,

mas... mãos não sei o significado de “amores”,

 

Tudo para mim é pouco,

e perguntarem-me pela madrugada é como se me tirassem os livros, e o luar,

e a insónia, e todos os sonhos de criança...

 

Não me perguntes onde vivem as cidades com coração de pedra,

não me digas que amanhã os beijos são de papel,

não, não o suportaria...

que um dia,

que um dia me perguntasses como são os meus lábios enquanto dormem...!

 

Porque,

Porque os meus lábios nunca, nunca, porque os meus lábios nunca dormem.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 17 de Julho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:41

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO