Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

13
Dez 15

A lua com todo o seu esplendor

Poisada sobre o desejo da melancolia

A vida parece uma cidade em ruinas

Sem habitantes

Na penumbra do silêncio

Inventando pedacinhos de alegria

E beijos em papel colorido

O amor sofrido

Querido

Na sombra das árvores sem destino

O menino

Agachado nas pedras da infância

A lua dorme

Tu

Tu dormes nos braços da lua

E não sei quando acordarás…

Ou se algum dia vais acordar

Dos sonhos sem projecto

Nos momentos recheados de insónia

Poisada

Sobre o desejo

A lua com todo o seu esplendor

Nas tristes palavras de amor

Esquecida nas marés do mar

Sentindo o peso da minha mão

Empunhando uma caneta

Torta

Feia

E triste

A corda do enforcado envolvendo o meu pescoço

Tenho um frágil esqueleto

Que mais parede em porcelana

Da fina

Pura

Ínfima

Minerais acesos nos meus lábios incinerados

Sobre a cama

Todo o dia

Toda a semana

Tu enforcas-te

Eu enforco-me…

Ele não se enforcou

Alegre

Feliz

Desiste

Assiste ao desmoronar dos edifícios negros

Em queda livre

Com direcção ao mar

Como é triste amar!

Como é triste ser amado…!

Como é triste ver a lua com todo o seu esplendor poisada nos teus seios sem os acariciar…

Como é triste…

Como é triste amar!

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

domingo, 13 de Dezembro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:45

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Dezembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9



31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO