Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

04
Abr 15

Sinto o teu olhar

Nas madrastas canções de amar

O silêncio beijo escondido na tua boca

As palavras minhas

Percorrendo o teu corpo

A tua imagem melancólica

Nas vidraças dos rochedos

O segredo

O amor em segredo

Nas pálpebras do fugitivo

Amanhã não venho

Aos teus braços

Cansei-me das tuas alegres noites

Quando a sinfonia do orgasmo tricolor

Poisa docemente no Tejo

O amor

O amor sem compreensão

Que os orgasmos de lata

Cintilam

Nas árvores da saudade

Eu só

Esperando-te sem perceber quem és

Uma conversa em triângulos soníferos

Os fósforos

E os cigarros

Na aldeia da paixão

Mergulhar o teu corpo nos lençóis da tristeza

Acreditas?

Sempre

Amanhã

Outro dia

Outros homens

E outros barcos

O teu corpo polvorizado pelas pálpebras de cinza

O amor

Os beijos

As metáforas embriagadas nos cortinados da cama

Nua

Desfeita

Calibrada nos imperfeitos botões de rosa

Amo-te…

Como?

O sonolento poeta

Nas coxas da literatura

As canções

Os poemas

O teu corpo na minha cama

Sofrendo

Insónias e vapor de medo

Ao deitar

A fotografia da noite

Vivíamos debaixo de um cortinado de sémen

As cartas

E os telegramas

Infestados de viagens

E alegrias ruas do Rossio

Cais do Sodré

Putas à vez

Da cidade dos imbecis currículos de areia

Perco-me

Finjo

Nada

Morto

Nas palavras.

“Foder-te contra o espelho do infinito”

A vastidão das estrelas

Camufladas rosas de ensurdecer

Coloridas

No amanhecer

Voando

As gaivotas

No teu ventre…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 4 de Abril de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:37

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23

27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO