Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Mar 15

As arcadas tristes da memória

O silêncio insigne da estória

Quando o corpo geme nas minhas mãos

No vão de escada imaginado

O teu sexo nos meus braços

Sinto o peso da tua solidão

Como se fosse um ponto esquecido no espaço

Atrevo-me a ajoelhar

No altar da poesia

Um uivo

Um gemido

Uma… profecia

Na maior das hipóteses

O corpo amarrado ao silêncio

Sinto o teu perfume

Nas minhas pálpebras de estanho

Perder-me

Em ti

Sem saber que as coisas boas da vida

São círculos de chocolate

Na ardósia das palavras

Não falo

Não imagino as pedras de xisto

Comestíveis na alvorada

Nos teus olhos

As palavras me enforcam

E matam

Antes de adormecer

Lapidando o teu corpo de amêndoa

Nas sílabas tontas da paixão

Meu amor

Porque são tristes as tuas nádegas?

Porque são alegres os teus íngremes salivares desenhos

Do desconforto

Amar-te

Não… não amor

Não quero

Voar nos braços da inconfidência

Trabalhar

Nos poços da solidão

Ser o Príncipe perfeito

Imperfeito

Amargo

Amanhece na tua boca

E visto-me de gaivota

Louca

Das palavras

Às palavras…

 

Francisco Luís Fontinha - Alijó

Segunda, feira, 30 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:25

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO