Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

15
Abr 17

Deixo o meu corpo poisado na ribeira da solidão,

Suspenso no pesadelo da morte

Caminho pelas montanhas semeando espadas em granito…

E recordava a ruidosa noite dos corpos ensonados,

O cais onde habitavam os meus barcos parece uma cidade sem nome,

Distante da madrugada,

Descendo o rio até ao mar,

As gaivotas envenenadas pelas palavras amargas do teu sorriso,

E envelheci antes do teu regresso,

Vou à janela e sinto o raiar do amanhecer dentro de um livro apodrecido pelo tempo vazio da escuridão,

O amor não dorme mais,

Acorda-se enquanto as minhas mãos apalpam o olhar das tuas pálpebras nas paixões dos comboios entre sucata e pequenas miudezas, a algazarra dos teus gemidos inclinados no sótão dos cigarros inacessíveis nas nocturnas avenidas do desassossego,

Sou um palhaço embalsamado pelos relógios em suicídios soluços, uma arvore recheada de lentidão, a traição do corpo poisado na ribeira da solidão,

Tragam-me o escuro poema com asas em papel, tragam-me a rapidez dos alicerces do vento antes de apodrecerem as pontes imaginárias, e foi-se a idade, deixei de pertencer-te…

Deixei de amar-te.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 15 de Abril de 2017

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:06

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO