Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

06
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

O arvoredo das encostas socalcos que iluminam as mãos de pérola adormecida teu olhar,

não existem,

não brincam como brincávamos junto ao cais de embarque,

havia entre nós uma rede supérflua de mendicidade que nunca acreditados deixar de existir,

sofríamos,

dançávamos sobre os telhados lânguidos das esplanadas com tosse,

e ouvíamos os silêncios da solidão palmilharem os andaimes do desassossego,

íamos vivendo como morcegos prisioneiros de uma noite inventada por uma locomotiva enlouquecida,

e triste,

e triste como toda a noite o é,

e triste como todos os livros em palavras embriagadas...

o arvoredo das encostas socalcos que iluminam os dissecados objectos de porcelana,

 

O alicate da saudade poisado sobre a almofada do cansaço,

o medo de perder as imagens das fotografias embalsamadas,

e triste...

triste não existir no olhar da madrugada,

e triste...

triste pertencer aos laminados lábios do desejo,

como vampiros beijos subindo as encostas socalcos,

os malvados suspiros da paixão,

a dor transformada em iluminação pública,

doirada como os teus abraços quando acordam as sílabas envenenadas...

e a toda a velocidade, e como todos os jardins suspensos da Babilónia...

tu, tu pertences-me como me pertencem os teus doces cabelos de maré ensonada.

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 6 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:07

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO