Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

02
Ago 15

desenho_02_08_2015.png

 (desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Apago o apito da sinalização em direcção à paixão,

Percorro os trilhos construídos pelo cansaço,

Não tenho medo…

O salivar réptil das janelas do sonho,

O amor debruçado nas clarabóias da insónia,

Habito em ti, meu amor,

Pareço uma folha de papel brincando na fogueira dos beijos,

E nos teus lábios…

A seara envenenada por um rio clandestino,

A ponte,

A passagem para os teus seios,

Neste jardins de arbustos enganados,

Dormem,

Sentem o peso do teu corpo,

Voando como uma gaivota,

Tenho pregos no meu peito, meu amor,

Apago o apito das recordações,

Vivo nesta cidade procurando a tua sombra,

Nunca mais,

Vi barcos no Tejo,

Nunca mais, meu amor,

Vi os cadernos guardando as minhas palavras,

Estou só, meu amor,

Amando, meu amor, estarei sempre só…

Como as fotografias da minha infância,

Como eu te amo… meu amor,

As madrugada debruçadas nas carcaças da poesia,

Abutres comendo os meus olhos,

Sinto-te, meu amor, junto a mim…

A ponte,

A luz que acaricia a ponte,

Ela geme,

E grita,

O orgasmo metálico das treliças,

O masturbar dos pilares em cada olhar,

Firme,

Ela sabe que amanhã não haverá noite,

Palavras,

E desejo…

Mesmo assim, meu amor,

Lisboa é a minha amante secreta…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 2 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:04

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO