Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Jun 15

Só desisto depois do fim,

Não acredito que amanhã nascerá o Sol,

Nem sei se o Sol que me absorve,

Existe,

Ou é apena uma imagem entranhada no meu corpo,

Ignoro a bagagem,

E as árvores do teu jardim,

Sentávamo-nos junto a um rio recheado de paixão,

Entrelaçávamos as mãos como se fossem finíssimos fios de arame

Esquecidos na geada,

Há nossa volta…

Nada,

Apenas éramos mergulhados na forçada noite

Sem tempo para brincarmos no olhar emagrecido da solidão,

Vestia-me de barco,

Vestias-te de marinheiro,

E dançávamos até que um relógio de pulso cessava as palpitações da madrugada,

Nunca tínhamos fome,

Sede,

Nem uma Lisboa com rochedos em papel,

Ouvia-te,

Sentia-te,

Nada,

Há nossa volta…

Alguns minutos em desassossego,

Perdia a voz,

Perdias os lábios na minha boca…

(E amanhã,

Não sei se nascerá o Sol),

E nada,

Nada no livro que poisava na tua mão…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 24 de Junho de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:49

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17

23
25



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO