Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Out 14

Toco-te sem saber que não sentes o meu silêncio

toco-te sem perceber que há dia nos cortinados do teu olhar

sentamos-nos

e descubro que na tua mão de lágrima

vive uma abelha

triste

e cansada

toco-te fingindo que no teu corpo existe uma cidade por descobrir...

deserta, só

toco-te sem saber que não sentes o meu silêncio...

que a minha ausência vestida de negro

é apenas um pedaço de cansaço semeado no teu ventre...

 

O veneno

o veneno que há em ti

comestível nas tardes de solidão, à janela

desenhando o que é impossível de desenhar...

porque os círculos da paixão se evaporam nas pedras em combustão

e na geometria... o amor não tem significado

é absorto

é... é mais uma ruela sem saída

o veneno

o veneno que se alicerça aos teus seios

e...

e não te deixa adormecer,

 

Toco-te sem o saber

porque deixei de observar as tuas algas

e esqueci que nesse rio onde andavas...

ninguém hoje sabe que o teu corpo lhe pertenceu

foste abraçada

foste... foste amada

pensavas que havia rochedos de insígnias

quando apenas...

nada

quando apenas uma quadriculada palavra... invadiu as tuas coxas

absorveu-as... e hoje são um esqueleto de vento

em pequenos quadrados suspensos nos lábios de um marinheiro...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:45

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO