Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

09
Jun 15

Não sei meu amor

Os dias

As horas

Segundos

De nada

Ausente

De ti

Quando a geada adormece no teu peito

Sacio as minhas mãos no teu corpo

Caem as folhas em papel do teu olhar

Sinto-me tão pequenino

Meu amor

Minúsculo

As veias

Os braços

Lábios teus de serpente envenenada

Envenenado dia

Amavas-me e eu não sabia

Hoje

Sei mas imagino que não o sei

Escrevo-te sem saber se existes

Não existes

Ou és como eu…

Nem existo nem existo

Aos olhos dos morcegos

A morte

Entranha-se em ti

Como a paixão derramou em mim um rio recheado de Cacilheiros

Putas

E drogados…

Hipnotizavas-me como se eu fosse um espelho em delírio dançando num quarto de vidro

Morro

Morro nos teus seios de veleiro de sono

Vagueando de porto em porto

De cidade em cidade

De equação em equação…

De equação em paixão

Cansei-me dos pássaros junto ao tejo

Cansei-me dos soldados de esperma descendo a calçada do adeus

E a cidade

Leva-me para a manhã invisível.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 9 de Junho de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:48

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Junho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

17

23
25



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO