Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

28
Jan 15

A1_039.jpg

 

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

Este caixote sem janelas

que habita o meu cérebro cinzento

as palavras belas

que sinto

quando acorda o amanhecer

e não encontro o teu corpo na minha cama,

 

As imagens do silêncio

reescritas na tua mão de porcelana

regressar é impossível

viver...

sonhar

sem saber que amanhã não existe mar,

 

Maré dos enganos

sílabas assassinadas pela caneta negra...

um desenho

(uma porcaria de desenho...)

suspenso na forca da idade

como serpentes em pedacinhos descendo a montanha,

 

As sombreadas verrugas do Adeus

quando o caixote arde na cinza madrugada

o meu cérebro morre

e leva as minhas palavras...

o meu cérebro morre...

e leva o meu corpo.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:53

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO