Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

07
Ago 15

desenho_07_08_2015.png

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

Sinto-me um abutre sem dono

Margaridas, meu amor, margaridas no teu corpo,

Margaridas em sono,

Em flor,

Em dor,

Sinto-me um transeunte vestido de negro,

Confundindo-me com a noite,

Quando a noite era apenas um desenho incógnito,

 

Sou a luz da escuridão iluminada,

Margaridas, meu amor,

Margaridas na esplanada,

Margaridas sem nada…

 

Oiço a tua voz envergonhada,

Sinto o teu corpo recheado de amendoeiras,

Margaridas, meu amor,

Margaridas… margaridas entranhadas nas videiras,

 

Quando tínhamos as janelas encerradas,

Não existiam madrugadas,

Margaridas, meu amor, margaridas roubadas,

 

Margaridas em ti assassinadas.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 7 de Agosto de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 02:45

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Agosto 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO