Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

18
Out 14

A morte inventada pela dimensão do infinito,

a equação do desespero cansa-se dos meus braços,

alicerça-se na geada cinzenta dos hospícios sem janelas,

a morte cintila no tecto da solidão...

e o rio me come,

e o rio me leva... e não voltarei aos fios de nylon da cidade,

o livro de ti, arde,

e das lâmpadas do abismo... filamentos de sangue em construção,

o navio solitário escreve-se e silencia-se na montanha de uma fotografia,

há no teu olhar a neblina do pastor sem solução,

há nos teus lábios os secretos sonhos do perdão...

e não conseguirei alcançar as tuas pálpebras de anelar sombra com odor a cansaço...

morrerei como um pássaro,

a morte não sabe...

que os suspiros da hipnose madeira fantasma... flutua nas plumas de uma bailarina,

partirei,

partirei como um veleiro sem velas,

disfarçado de homem...

com uma gaivota no meu coração.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 18 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:34

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO